Resenha: O Dom – James Patterson

/Editora Novo Conceito/Resenhas/

o-dom-james-patterson-estante-dos-sonhosEditora: Novo Conceito
Autor: James Patterson
ISBN: 9788581632810
Edição: 1
Número de páginas: 288
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  80 de 100 pontos

Os irmãos Allgood nunca desistem de lutar contra os poderes autoritários e desumanos d’O Único Que É O Único, mas, agora, eles estão sem Margô — a jovem e atrevida revolucionária; sem Célia — o grande amor de Whit; e sem seus pais — que provavelmente estão mortos… Então, em uma tentativa de esquecer suas tristes lembranças e, ao mesmo tempo, continuar seu trabalho revolucionário, os irmãos vão parar em um concerto de rock organizado pela Resistência onde os caminhos de Wisty e de um jovem roqueiro vão se cruzar. Afinal, Wisty poderá encontrar algo que lhe ofereça alguma alegria em meio a tanta aflição, quem sabe o seu verdadeiro amor… Mas, quando se trata destes irmãos, nada costuma ser muito simples e tudo pode sofrer uma reviravolta grave, do tipo que pode comprometer suas vidas. Enquanto passam por perdas e ganhos, O Único Que É O Único continua fazendo uso de todos os seus poderes, inclusive do poder do gelo e da neve, para conquistar o dom de Wisty… Ou para, finalmente, matá-la.

Minhas impressões

Bom, sempre começo elogiando os livros do James Patterson, pois o cara é genial. Isso fica claro nos livros que ele já escreveu até agora. Não é diferente nesta continuação.

Depois de uma bem sucedida resistência Wisty e With passam a ajudar na libertação de outras crianças, porém já de início temos uma surpresa e as coisas começam a piorar pro lado deles.

Wisty ainda não sabe muito bem como controlar seus poderes e muito menos como usá-los, mas fez grandes progressos no controle e isso se torna uma preocupação crescente para O Único que é O Único. Este mesmo vendo que seu império está em risco, passa a buscar com mais rigor as ameaças e velhos inimigos retornam para trair Whit e Wisty (espero que não tenha sido spoiler).

Mas, nem tudo é lindo nesse livro (pelo menos pra mim). Algo que eu nunca vi o autor fazer em outros livros é enrolar. Senti nessa continuação um “enrolação” tremenda, preparando o leitor para um terceiro livro. Já falei outras vezes que eu não tenho muita paciência para livros sem objetividade e confesso que nesse pensei em pular partes =/ Mas calma por favor. Vou explicar.

Desde o primeiro livro o With e a Wisty foram jogados em meio a um turbilhão sem saber nada sobre seus poderes nem como descobrir como trabalhá-los. No segundo livro isso continua! Eu pelo menos esperava que no mínimo alguma coisa fosse revelada para eles. (Pequeno spoiler) Durante quase todo o livro você vê as pessoas pedindo para que eles se entreguem sem dar um mínimo de motivo. Ou então pessoas falando que ela pode fazer tal coisa sem dar um mínimo de explicação e isso acaba frustrando o leitor.

Esse jogo de cão e gato, onde um tá por cima uma hora e depois tá por baixo acaba tirando um pouco, perceba que falei um pouco, do brilho do livro.

Mas enfim. O livro é muito bom. Mais um de fantasia para ficar exposto na sua estante. Mesmo com esses poréns acima, o autor consegue te prender no livro e deixar a expectativa para o próximo. Se essa foi a intenção dele, ele conseguiu comigo. Recomendo ler sim, as sacadas que ele faz comparando o mundo imaginário com o real são excelentes =)

Até a próxima.

Compartilhe este link para ganhar pontos

Resenha: Bruxos e Bruxas – James Patterson

/Editora Novo Conceito/Resenhas/

Bruxos-e-Bruxas-james-patterson-estante-dos-sonhosEditora: Novo Conceito
Autor: James Patterson
ISBN: 9788581632216
Edição: 1
Número de páginas: 288
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

É como entrar em um pesadelo. Do nada, você é retirado de sua casa, preso, e acusado de bruxaria. Parece século 17, mas é o governo da Nova Ordem, e está acontecendo agora! Sob a ideologia da Nova Ordem, O Único Que É O Único mantém seu poder à força, sem música, nem internet, nem livros, arte ou beleza. E ter menos de 18 anos já é motivo suficiente para que você seja suspeito de conspiração. Os irmãos Allgood estão encarcerados nesse pesadelo e, para escapar desse mundo de opressão e medo, terão que contar um com o outro e aprender a usar a magia. Do autor best-seller James Patterson, Bruxos e Bruxas é uma saga para se ler… antes que seja tarde.

Book trailer

Minhas impressões

Só agora (depois do puxão de orelha da Day), que eu vi que não havia feito a resenha desse livro, o que é um absurdo! Li tão rápido esse livro que acabei esquecendo =/

Pois bem, algo que me chamou atenção de cara foi o trabalho espetacular da capa desse livro. Não há como negar que a capa já dá vontade de pegar o livro e não largar mais. O melhor ainda é o conteúdo.

Pra quem já lia os livros do James Patterson, já está acostumado com as tramas intrigantes que ele escreve e esse livro não é diferente. Os irmão Allgood são como todos os irmãos, brigam por besteiras e implicam um com o outro, mas de um dia pro outro percebem como isso é banal. Arrancados de sua casa pela Nova Ordem eles se veem dependentes um do outro para sobreviver. O mundo tinha virado de cabeça pra baixo em questão de uma noite. O Único que é o Único agora é quem manda e tudo que está em desacordo com ele, deve desaparecer.

Diferente de outros, os irmãos Allgood acabam descobrindo que eles tem poderes! Não vou falar mais nada dos poderes pra não dar muito spoiler =p. Além dos poderes, eles encontram a resistência, um grupo de jovens que é contra o que o Único que é o Único está fazendo e cabe a eles acabarem com esse tirano.

Enfim, o livro é excelente como todos os do James Patterson. Ele conseguiu criar um mundo distópico envolvendo bruxos e sem cair pra nenhum dos clichês de hoje em dia quando falamos de magia. O livro é exatamente daquele tipo que você só larga quando termina, tanto que li em um dia. Além disso é interessante a análise e as referências que o autor faz com o mundo atual, usando nome de artistas conhecidos com uma leve alteração por exemplo. A analogia do mundo descrito no livro com o nosso mundo é muito bem bolada. Por vezes o jovem hoje, é visto como o causador de problemas e logo é reprimido, portanto espere se identificar bastante com algumas passagens do livro, claro, associando ao mundo atual.

A narração em 1ª pessoa é outro detalhe que só contribui com o ritmo do livro. Entre um capítulo e outro, você lê o relato através de Whisty e Whit. É engraçado em alguns momentos os comentários que eles fazem entre si. Aquela típica acidez entre irmão que faz você dar boas risadas.

Algo que preciso citar antes que eu esqueça foi o trabalho viral que a Novo Conceito fez, eu citei neste post, porém vou falar novamente =) Do nada recebo uma carta sem identificação com banner de dois jovens sendo procurados. Achei estranho, mas percebi que era alguma jogada de marketing e isso já me deixou morrendo de curiosidade. Sou meio nerd, confesso, então acabei descobrindo quem enviou e mais tarde soube que se tratava de um livro. Então já dá pra entender o motivo do sucesso desse livro. Trabalho excelente de marketing!

Prometo que to acabando.

A continuação do livro já está pra sair e o nome é O Dom, que espero ser melhor que o primeiro. Recomendo muito o livro. Além da capa estupenda, o livro é incrível.

Até a próxima =)

Compartilhe este link para ganhar pontos

Resenha: Private – Missão Jogos Olímpicos – James Patterson

/Editora Arqueiro/Resenhas/

private-missão-jogos-olímpicos-estante-dos-sonhosEditora: Arqueiro
Autor: James Patterson
ISBN: 9788580410716
Edição: 1
Número de páginas: 256
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Declaro abertos os Jogos Olímpicos de Londres de 2012!
A Private Londres, filial da maior agência de investigações do mundo, está trabalhando com o Comitê Organizador das Olimpíadas para garantir a segurança da competição. Tudo estava correndo bem até que, na véspera da cerimônia de abertura, Sir Denton Marshall, um figurão do comitê, é brutalmente assassinado em sua casa. Um psicopata com sede de vingança pode pôr tudo a perder.
Horas depois, a jornalista Karen Pope recebe um envelope contendo um cartão musical e uma carta assinada por um homem que se intitula Cronos. Ele assume a autoria do crime e diz que o pesadelo está apenas começando. Sua intenção é purificar os Jogos Olímpicos, manchados por mentiras e corrupção. Milhares de vidas estão em risco!
Peter Knight, líder da Private Londres, logo percebe que Cronos não vai desistir até acabar de vez com o maior evento esportivo do mundo. Numa caçada implacável, a Private e a polícia de Londres tentam deter esse gênio do crime que parece saber mais do que deveria.

Minhas impressões

Já fazia um tempo que eu ouvia falar bem do autor James Patterson, porém nunca tinha lido nenhum título dele. Como sou fascinado por histórias que contenham psicopatas escolhi este como o primeiro.

O livro é alucinante. Peter, líder da Private Londres, uma agência de investigações mundial, é o protagonista da história e logo se vê envolvido em uma trama que ele não estava preparado para encarar.
Como eu disse antes, o livro é alucinante. Logo nas primeiras páginas você passa a ficar “desesperado” pra terminar de ler, e eu amo livros assim; quem não?

Um psicopata, com síndrome de de grandeza, denomina-se Cronos, sim o da mitologia, e seu objetivo é acabar com os jogos olímpicos modernos. Como? Não importa como, ele fará tudo pra concluir seus planos. A morte de Sir Denton que, a princípio parecia um crime “comum”, revelou uma série de acontecimentos interligados e cabe a Peter descobrir o que, ou quem, está por trás disso tudo.

Então, certo dia, como por instinto, comecei a engatinhar para fora da caixa e, com esse movimento e essa liberdade, logo entendi que era mais di que a raiva, que era uma criatura independente – que passava dias com fome e com sede, que estava nua e com frio, que ficava horas e horas sozinha, raramente tomava banho, quase nunca era pega no colo pelos monstros à sua volta, como se fosse algum tipo alienígena surgido entre eles. Foi então que tive meu primeiro pensamento objetivo: quero matá-los.

Algo incrível nesse livro é a fidelidade das características de Londres e das olimpíadas, misturado com uma ficção muito bem elaborada pelo James Patterson. Recomendo efusivamente o livro, é daqueles que você lê tão rápido e com tanta vontade, que quer ler novamente. Também recomendo pra pessoas que não tenham costume de ler.

Até a próxima!