Resenha: Psicose – Robert Blooch

/Editora DarkSide Books/Resenhas/

Editora: DarkSide Books
Autor: Robert Blooch
ISBN: 9788566636109
Edição: 1
Número de páginas: 240
Acabamento: Encadernado
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Edição especial capa dura com caderno de fotos do clássico do Hitchcock. Uma verdadeira edição de colecionador, para quem gosta e entende do assunto. “Psicose”, o clássico de Robert Bloch, foi publicado originalmente em 1959, livremente inspirado no caso do assassino de Wisconsin, Ed Gein. O protagonista Norman Bates, assim como Gein, era um assassino solitário que vivia em uma localidade rural isolada, teve uma mãe dominadora, construiu um santuário para ela em um quarto e se vestia com roupas femininas. Em “Psicose”, sem edição no Brasil há 50 anos, Bloch antecipou e prenunciou a explosão do fenômeno serial killer do final dos anos 1980 e começo dos 1990. O livro, assim com o filme de Hitchcock, tornou-se um ícone do horror, inspirando um número sem fim de imitações inferiores, assim como a criação de Bloch, o esquizofrênico violento e travestido Bates, tornou-se um arquétipo do horror incorporado a cultura pop.

Minhas impressões

Sei que vão desejar que eu seja espancado, mas ainda não assisti Psicose =(. De certa forma foi bom, pois li o livro sem conhecer a história completa(claro que já conhecia o enredo). Não me canso de elogiar a qualidade da edição capa dura do livro feito pela DarkSide. As outras editoras deveriam se envergonhar =P. Sem contar a surpresa que foi o marca página genial fazendo referência ao Bates Motel.

O livro que inspirou o filme com o mesmo nome traz a história de Norman Bates, um cara de meia idade, muito, muito estranho. Por mais estranho que Norman seja, ele viva recluso em seu motel “com sua mãe”, até que uma mulher consegue desestabiliza-lo, ou seja, todo o controle que ele tinha sobre si foi pro ralo. Aí as coisas começam a desandar. Não falarei o que, pois ainda deve haver quem não leu, ou assistiu o filme ainda. Assim espero =).

Enfim, o livro é um clássico obrigatório na estante. Não é atoa que Hitchcock tenha feito um filme primoroso, tendo um livro como esse por trás. Por mais que o livro tenha somente 240 páginas ele traz alguns assuntos nas entrelinhas que são extremamente complexos, como o relacionamento que Norman teve com sua mãe e todo o complexo de Édipo envolvido nisso. Outro detalhe é que o livro foi escrito baseado em um serial killer chamado Ed Gein. Ed Gein matou somente duas mulheres, mas seu modus operandi causou um estarrecimento na população americana, tanto que vários filmes e livros foram inspirados nele. Portanto o livro ganha muito mais significado quando enxergado dessa ótica. Outro detalhe excelente nesse livro foi como o autor conseguiu misturar personalidades e segurar o suspense até o final sem deixar o leitor confuso.

Recomendo a leitura deste, ainda mais por ser o tipo de terror que não temos mais hoje em dia. Até a próxima =)

Compartilhe este link para ganhar pontos

Resenha: Prince of Thorns – Mark Lawrence

/Editora DarkSide Books/Resenhas/

Prince-of-Thorns-mark-lawrence-estante-dos-sonhosEditora: DarkSide Books
Autor: Mark Lawrence
ISBN: 9788566636116
Edição: 1
Número de páginas: 355
Acabamento: Encadernado
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Ainda criança, o príncipe Honório Jorg Ancrath testemunhou o brutal assassinato da Rainha mãe e de o seu irmão caçula, William. Jorg não conseguiu defender sua família, nem tampouco fugir do horror. Jogado à sorte num arbusto de roseira-brava, ele permaneceu imobilizado pelos espinhos que rasgavam profundamente sua pele, e sua alma.
O príncipe dos espinhos se vê, então, obrigado a amadurecer para saciar o seu desejo de vingança e poder. Vagando pelas estradas do Império Destruído, Jorg Ancrath lidera uma irmandade de assassinos, e sua única intenção é vencer o jogo. O jogo que os espinhos lhe ensinaram.

Minhas impressões

Não sei as outras pessoas que fazem resenha, mas quando gosto muito do livro fico enrolando pra fazer a resenha. Parece que quando você faz a resenha o livro realmente acaba e eu não queria que isso acontecesse com Prince of Thorns.

Deixa eu começar falando do exterior do livro. Como já citei na resenha da biografia do Stephen King (aqui) fiquei surpreso com a qualidade do livro, da encadernação e do interior. Não foi diferente com esse. Já dá pra perceber o padrão de qualidade dos livros da Darkside. A encadernação dá um toque especial nos livros e dá vontade de você não tirá-los da embalagem. A capa dura com alto revelo e reserva de verniz no nome é sensacional, os detalhes das contra capas e dos intervalos entre os capítulos com comentários do personagem principal são outros detalhes incríveis do livro.

A maior felicidade pra mim, ao ler esse livro, foi ter finalmente achado uma editora que publica o que gosto de ler, fantasia misturada com terror, suspense e bastante sangue (calma não sou psicopata, só um pouco rs). Pra quem acompanha de perto lançamentos de livros, percebe como é difícil chegar um bom livro de terror, suspense ou algum que contenha um teor de violência “fora dos padrões”. Só via os livros do King assim. Pois bem, obrigado Darkside por trazer esse livro.

A trama gira em torno do irmão Jorg em uma caminhada violenta em busca de vingança. Logo no início do livro vemos as lembranças que ele tem de ser salvo enquanto sua mãe e irmão são mortos sem que ele pudesse fazer muita coisa, preso nos espinhos. Salvo por acaso ele busca uma única coisa, vingança. E esse ódio é que o alimenta e o faz sobreviver. Com uma inteligência acima da média ele consegue conquistar, muitas vezes por medo, a confiança de um grupo de mercenários que o seguem para seu destino.

É com essa inteligência e sagacidade que ele se mostra um excelente líder nas batalhas…

Você só pode vencer o jogo quando entende que se trata de um jogo. Deixe um homem jogar xadrez e diga a ele que todos os peões são seus amigos. Diga que ambos os bispos são santos. Faça-o lembrar de dias à sombra das torres. Deixe-o amar sua rainha. Veja-o perder tudo.

Mesmo sendo novo ele tem uma capacidade analítica que você vai lendo e esquece da idade dele e passa a acreditar que quem tá ali é um general que viveu várias guerras. O autor não economizou nem ficou com medo de escrever algum palavrão e muito menos de colocar sangue em suas passagens

Mantive o tom coloquial. Creio que as ameaças mais veladas são aquelas que alcançam os melhores resultados… O homem molhou as calças… me contou tudo que sabia…

Covardes são os melhores torturadores. Covardes entendem o medo e sabem como usá-lo. Já os heróis são péssimos torturadores…

O trauma em sua infância e o ódio fazem com ele cresça rapidamente e aprenda como o mundo funciona e é isso que de certa forma “deslumbra” seus irmãos. A crueldade de seus atos.
Jorg é atormentado por seu passado e por sua vontade de vingança e sangue.

A raiva carrega menos terror, os homens entendem a raiva. Ela promete resoluções; talvez resoluções sangrentas, mas imediatas.

Vou lhes dizer: o silêncio quase me derruba. É o silêncio que me apavora. A página em branco na qual posso escrever meus medos.

Enfim, o livro é repleto de ação. É aquele típico livro que você lê desesperadamente em um dia e fica se perguntando quando sai o próximo (primeiro semestre de 2014). Recomendo que não se apegue a nenhum personagem, pois o autor não tem medo de matar ninguém e isso faz a trama rodar rapidamente. Recomendo muito o livro e esse pra mim é um daqueles livros únicos que ficarão gravados na sua memória tal qual Roland e sua Torre Negra. Espero não ter revelado demais e que venha o próximo livro =]

Compartilhe este link para ganhar pontos