Resenha: Crônicas dos Senhores de Castelo – Efeito Manticore Livro 2 – G. Norris & G. Brasman

/Editora Verus/Resenhas/

senhores-de-castelo-efeito-manticore-estante-dos-sonhosEditora: Verus
Autor: G. Norris & G. Brasman
ISBN: 9788576861799
Edição: 1
Número de páginas: 393
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Na segunda parte da saga Crônicas dos Senhores de Castelo, Kullat, Thagir, Laryssa e Azio estão de volta. E, junto com outros três novos Senhores de Castelo, reúnem-se ao rei de Agas’B para celebrar a liberdade, a paz e a prosperidade no reino. Mas, comandados pelo misterioso feiticeiro Volgo, um grupo de vilões ataca inesperadamente e sequestram um dos nossos heróis. Este é o início de uma jornada eletrizante de resgate, repleta de desafios e perigos desde o reino de Agas’B, passando pelos Mares Boreais e chegando a um planeta totalmente desconhecido. Criaturas mágicas nunca vistas, uma batalha naval violenta e a fúria da natureza são apenas pequenos desafios se comparados ao que terão que enfrentar: um ninho das temíveis e selvagens criaturas chamadas Manticores. Escolhas difíceis e situações dramáticas determinarão o futuro dos nossos heróis, cujo sucesso ou fracasso, poderá mudar o curso da história de todo o Multiverso. Efeito Manticore: “Às vezes a escolha é sua. Outras vezes, você não tem escolha…”

Minhas impressões

Bom passei logo pra minhas impressões porque não ia aguentar falar do livro sem comentar.

Primeiramente, agradecer ao autores por me convencerem que brasileiros também sabem escrever literatura fantástica. A ideia de alterar o sobrenome pra um “americano” foi essencial pra alcançar esse pessoal que, como eu, tem esse pré conceito da literatura fantástica brasileira. Quando eu li o primeiro livro e um tempo depois vi o autor comentando no meu blog, primeiro eu não acreditei e depois fiquei muito feliz em descobrir que uma obra tão bem feita foi feita em terras tupiniquins.

Continuando as crônicas do primeiro livro, o segundo volume expande muito mais o multiverso apresentado no primeiro volume. Trazendo respostas para diversas curiosidades que porventura surgiram no final do primeiro volume. (spoilers leves abaixo)

Vemos com mais detalhes um misterioso personagem chamado Volgo e percebemos que a trama não é tão simples quanto parece.

Sendo jogados em uma armadilha os Senhores de Castelo precisam descobrir como estar um passo à frente de Volgo, mas ao mesmo tempo não tem escolha a não ser seguir diretamente para a armadilha. Obrigados a navegar nos mares boreais eles descobrem um novo mundo chamado Breasal. Mesmo Kullat e Thagir sendo Senhores de Castelo extremamente poderosos percebem que tem algo errado nessas terras e devem se ajustar à maru do lugar. Logo Thagir, Kullat, Driera e IkiDau, e a princesa se ajustam e começam de fato a encarar as adversidades.

Nesse livro fica bem mais claro como a amizade entre Thagir e Kullat é forte e se encaixa perfeitamente. Um é estrategista e extremamente inteligente, o outro impulsivo e extremamente forte. Juntos eles são imbatíveis, mas essa missão vai abalar as convicções dos Senhores de Castelo.

Enfim, antes que eu conte mais do que devia, recomendo imensamente o livro. Demorei pra ler o segundo volume esperando a saída do terceiro. O livro é completamente rico em detalhes e como no primeiro, consegue abrir mundos e explicar cada detalhes deles, sem deixar nenhuma ponta solta. Eu que leio bastante literatura fantástica, dou parabéns aos autores pela bela obra!

Até a próxima!

Resenha: O príncipe gato e a ampulheta do tempo – Bento de Luca

/Editora Novos Talentos/Resenhas/

Editora: Novos Talentos
Autor: Bento de Luca
ISBN: 9788532510891
Edição: 1
Número de páginas: 280
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Através de um Buraco de Minhoca — túnel dimensional que interliga dois mundos — localizado no Parque do Trianon, São Paulo, surge um viajante felino movido por uma única e importantíssima missão: a busca por uma lendária ampulheta. Escondida em algum local inóspito da cidade, a relíquia é a única capaz de salvar Marshmallow, terra do Príncipe Gato, que está à beira da destruição. No entanto, parece que ele não foi o único a atravessar o portal. Seres malignos irromperam das barreiras e logo declararam uma caçada voraz, com objetivos mais sombrios… Além de seus perseguidores, o Gato luta contra seu maior inimigo: o Tempo. É preciso encontrar este objeto antes que seja tarde e seu mundo esteja para sempre perdido. Contudo, ele não estará sozinho nesta empreitada e poderá contar com a ajuda de seus fiéis companheiros.

Minhas impressões

Não sou o que se pode dizer de uma leitora apaixonada por livros de fantasias. O único que li até hoje e que me impressionou foi o Mágico de Oz, mas isso foi há muito tempo atrás. Depois dele, não li mais nenhum… Não por nada, mas não é o tipo de leitura que me atrai… Portanto, vocês verão pouca ou nenhuma resenha de livros desse gênero no Livros e CQ.

Mas, tenho que admitir que O Príncipe Gato, de Bento de Luca também me impressionou e foi uma leitura que foi despertando a minha curiosidade ao decorrer da estória, bem como a vontade de querer saber o que ia acontecer no fim das contas. Cada capítulo do livro é narrado pela visão de um personagem. Os personagens que compõe o primeiro livro da série são:

Hugo – Um jovem rapaz que levava consigo as dores de deixar para trás o seu grande amor por conta de uma doença que aos poucos lhe roubava a vida. Morava sozinho, em um apartamento em São Paulo. Seus pais viviam viajando ao redor do mundo e eram ausentes. Fazia dos livros o seu refúgio para fugir da sua realidade.

O Príncipe Gato – Seu nome não fora revelado, por isso, apenas o chamaremos de O Príncipe Gato. Ele vivia em Marshmallow, onde residia como Príncipe e através do Buraco da Minhoca, se transportou para nosso mundo para cumprir uma importantíssima missão: Encontrar a Ampulheta do Tempo que salvaria o seu mundo da destruição.

O Terceiro e não menos importante, é Eleanor. Ele é um rato sábio que viveu com Adir Wosky, o único humano que já visitara as terras fantásticas de Marshmallow.

Juntos, esses três personagens lutam para desvendar os mistérios em torno da localização da Ampulheta do Tempo. Enfrentam feiticeiros, túneis encantados, forças misteriosas e passam por muitos momentos, de alívio e de aflição. Mas, também há momentos de descontração e pode-se dar boas risadas com as farpas entre o Príncipe Gato e Hugo no início da estória.

Melhor evitar enfrentar o obscuro ou trazer à luz à escuridão? Claridade fulgurante, ou obscuridade incessante? Quem nunca temeu? Quem nunca morreu na tentativa? – Hugo

O enredo é despretensioso, não se prende a nenhum tipo de linguagem, com exceção de algumas falas, onde o autor faz uso de dialetos mais conhecidos em São Paulo. O que, em minha opinião, deveria se tomar mais cuidado no próximo número, pois para quem lê, talvez soe como ‘descuido’ ou ‘vício de linguagem’, mesmo que não seja. Por outro lado, o autor vez por outra utiliza alguns artifícios líricos que dão graça à narrativa.

Reparei que a tarde passava depressa. O sol, embora não o visse, já deveria estar se escondendo no horizonte, e seria a vez de a lua tentar ultrapassar com seu brilho, as nuvens cinzentas. Nas minhas terras não chove tanto assim; chove pouco, na verdade, as gotas têm sabor bem doce. Deliciosos sucos são feitos com essas águas. Agora, a chuva dessa cidade era estranha, um gosto ácido, um cheiro de asfalto quente

O livro me surpreendeu, e confesso que apesar de não ser meu gênero literário preferido, estou curiosa para ler o Livro II.

É isso pessoal, vamos apoiar a Literatura Brasileira que há muito vem nos surpreendendo com Obras maravilhosas.

Observação – Para quem está participando do mesmo Book Tour do Príncipe Gato que eu, aguarde que essa semana o livro será enviado ao próximo da lista * – *

Beijos e até a próxima!
Photo by Erik-Jan Leusink on Unsplash