Resenha: Necrópole – Boris Pahor

/Bertrand Brasil/Resenhas/

Editora: Bertrand Brasil
Autor: Boris Pahor
ASIN: 9788528615821
Edição: 1
Número de páginas: 294
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Amazon

Uma obra-prima da literatura do Holocausto Quando o fluxo da memória começa a correr. e as lembranças voltam à tona com sua carga de dor e comoção. Campo de concentração de Natzweiler-Struthof. nos Vosges. Alemanha. O homem que. numa tarde de verão. chega com um grupo de turistas não é um visitante qualquer. mas Boris Pahor. um ex-prisioneiro que. depois de muitos anos. volta ao lugar onde esteve preso. O autobiográfico Necrópole traz as lembranças que surgem diante das barracas e do arame farpado transformados em museu e centro de visitação. Escrito numa linguagem crua que não faz concessões à autocomiseração. o livro marca por seu texto forte e. muitas vezes. violento. que descreve. em mínimos detalhes. atrocidades como a tortura de presos e a dissecação de cadáveres. Uma das características de Pahor é utilizar-se de parágrafos longos. que deixam o leitor sem ar. angustiado. como o próprio autor se sentia nos anos em que viveu no campo. Pahor. durante a Segunda Guerra Mundial. colaborou com a resistência antifascista eslovena e foi deportado para os campos de concentração nazistas. experiência que o marcou profundamente e da qual se encontram resquícios na maior parte da sua extremamente rica produção literária. Mais do que um escritor. uma lenda viva.

Minhas impressões

É fácil perceber que sou fascinado pela história da segunda guerra mundial, haja visto a quantidade de livros que li sobre, e a quantidade de resenhas.

Entenda fascínio como curiosidade, não como administração. Assim como muitos outros eu tento achar alguma razão ou explicação para o que aconteceu, pois não se trata somente da natureza humana. Não se trata só de medo de uma população em não obedecer seu líder…

Entendo que todo o histórico da primeira guerra, o assinado do tratado de Versalhes que responsabilizou a Alemanha por todos os custos da primeira guerra e tirou parte de seu território, a crise econômica do país, o carisma de Hitler e as propagandas de Goebbels e por fim todo o antissemitismos arraigado na população contra os judeus e outras nações culminaram em tudo que aconteceu. Porém ainda assim não há uma explicação concreta.