Resenha: Preces e Mentiras – Sherri Wood Emmons

/Editora Novo Conceito/Resenhas/

preces-e-mentiras-estante-dos-sonhosEditora: Verus
Autor: Sherri Wood Emmons
ISBN: 9788576861799
Edição: 1
Número de páginas: 366
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Bethany e sua família vão de Indianapolis para West Virginia’s Coal River Valley. Para a mãe de Bethany, essas viagens até lá a lembram de sua infância pobre e composta por minas de carvão, um lugar do qual ela desejou escapar. Mas seus amados familiares e a amizade de Bethany e Reana Mae continuavam trazendo lembranças. Mas conforme Bethany cresce, ela percebe que a vida nessa comunidade pequena e unida não é tão simples quanto pensava… que as cabanas na beira do rio, que guardam muito da história de sua família, também geram fofocas escandalosas… e aqueles mais próximos a ela guardam segredos inimagináveis. No meio das florestas densas e da beleza silenciosa do vale, esses segredos estão finalmente sendo revelados, com uma força suficientemente devastadora para acabar com vidas, fé, e a conexão que Bethany pensou que duraria para sempre.

Minhas impressões

Sorri de volta para ela. Minha vida inteira, tive três irmãs – três estranhas com as quais convivi, mas que nunca realmente conheci. Sentada na lama, naquele dia quente e úmido, encontrei minha irmã verdadeira. Eu tinha 7 anos, e Reana Mae, 6, e eu jamais poderia saber como nossas vidas ficariam entrelaçadas no futuro.

Antes de começar, queria falar que até hoje somente 3 livros me fizeram lacrimejar. Um foi Harry Potter quando Dumbledore morreu. O segundo foi quando a namorada de Roland foi morta em A Torre Negra e o terceiro foi este. Sem contar a capa desse livro que é absurdamente LINDA!

Preces e mentiras é um livro intenso que traz à tona os relacionamento da família de Bethany, uma garotinha inocente que conhece a Reana, que é uma incógnita na história.

Não sabíamos onde Bobby Lee tinha passado aquele dia. Jolene não contou pra ninguém. E não sabíamos também quantas vezes Reana Mae era tratada daquela maneira pela mãe…

Como o livro é narrado pela voz uma menina de 7 anos que vai crescendo junto com o livro, o leitor vai passando por todas as agruras que a garotinha também passa.

Minha voz saiu como um coaxar estranho. Nunca em minha vida eu poderia imaginar que diria aquelas palavras para minha mãe, que fazia de tudo para nos proteger de qualquer coisa desagradável, grosseiro ou dolorosa.

O tempo todo no livro tentamos identificar quem é o culpado por tudo que está acontecendo. Quem realmente é o “vilão”, o que me fez repensar algumas coisas cotidianas.

Brian saiu do carro e ficou ali sem saber o que fazer. Fui correndo atrás de Tracy. Queria chegar à porta antes e impedir que ela entrasse. Eu sabia – não sei como, nem por que, mas sabia o que ela estava prestes a ver
Brian tentou pegar o braço dela quando Tracy chegou aos trilhos, mas ela se soltou dele e se jogou sobre eles.

O livro traz à tona o fato de que não existe um vilão em uma história, isso é coisa de novela brasileira que tá pior que mexicana desde 2000. A história complexa do livro, mostra claramente como decisões e escolhas erradas refletem numa próxima geração. Mostra como os motivos pra uma pessoa agir de uma ou outra maneira está mais arraigado ao passado do que ao presente.

Por um tempo no livro pensei que Reana se revelaria a vilã da história, mas percebi que ela na verdade era uma quadro branco, esperando ser preenchido e as situações que se mostram no livro é que definem o que será pintado nesse quadro.

Outro detalhe muito claro no livro é o conceito de família. Todas são assim. Por mais distante que sejam, brigas, picuinhas, etc, na hora do aperto tudo é esquecido e só se pensa em ajudar um ao outro. Todos os pecados são esquecidos e só o amor que uma família pode dar entra em jogo.

Enfim, o livro é intenso como já comentei algumas vezes. Como é narrado pelo personagem principal, essa intensidade se torna maior ainda, uma vez que você acompanha cada detalhe da história sob a ótica de um personagem que esta em crescimento, que por si só não conhece todos os “pecados” do mundo e mesmo assim se dispõe em ajudar sua prima, que por outro lado, conhece quase todos os “pecados” do mundo.

Recomendo muito o livro (isso que eu não gosto de romances hein), além do enredo bem feito, da história intrigante e do drama presente, o mesmo traz algumas questões pessoais que devemos sempre nos questionar. Vale à pena!

Até à próxima!

Resenha: Crônicas dos Senhores de Castelo – Efeito Manticore Livro 2 – G. Norris & G. Brasman

/Editora Verus/Resenhas/

Editora: Verus
Autor: G. Norris & G. Brasman
ISBN: 9788576861799
Edição: 1
Número de páginas: 393
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Na segunda parte da saga Crônicas dos Senhores de Castelo, Kullat, Thagir, Laryssa e Azio estão de volta. E, junto com outros três novos Senhores de Castelo, reúnem-se ao rei de Agas’B para celebrar a liberdade, a paz e a prosperidade no reino. Mas, comandados pelo misterioso feiticeiro Volgo, um grupo de vilões ataca inesperadamente e sequestram um dos nossos heróis. Este é o início de uma jornada eletrizante de resgate, repleta de desafios e perigos desde o reino de Agas’B, passando pelos Mares Boreais e chegando a um planeta totalmente desconhecido. Criaturas mágicas nunca vistas, uma batalha naval violenta e a fúria da natureza são apenas pequenos desafios se comparados ao que terão que enfrentar: um ninho das temíveis e selvagens criaturas chamadas Manticores. Escolhas difíceis e situações dramáticas determinarão o futuro dos nossos heróis, cujo sucesso ou fracasso, poderá mudar o curso da história de todo o Multiverso. Efeito Manticore: “Às vezes a escolha é sua. Outras vezes, você não tem escolha…”

Minhas impressões

Bom passei logo pra minhas impressões porque não ia aguentar falar do livro sem comentar.

Primeiramente, agradecer ao autores por me convencerem que brasileiros também sabem escrever literatura fantástica. A ideia de alterar o sobrenome pra um “americano” foi essencial pra alcançar esse pessoal que, como eu, tem esse pré conceito da literatura fantástica brasileira. Quando eu li o primeiro livro e um tempo depois vi o autor comentando no meu blog, primeiro eu não acreditei e depois fiquei muito feliz em descobrir que uma obra tão bem feita foi feita em terras tupiniquins.

Continuando as crônicas do primeiro livro, o segundo volume expande muito mais o multiverso apresentado no primeiro volume. Trazendo respostas para diversas curiosidades que porventura surgiram no final do primeiro volume. (spoilers leves abaixo)

Vemos com mais detalhes um misterioso personagem chamado Volgo e percebemos que a trama não é tão simples quanto parece.

Sendo jogados em uma armadilha os Senhores de Castelo precisam descobrir como estar um passo à frente de Volgo, mas ao mesmo tempo não tem escolha a não ser seguir diretamente para a armadilha. Obrigados a navegar nos mares boreais eles descobrem um novo mundo chamado Breasal. Mesmo Kullat e Thagir sendo Senhores de Castelo extremamente poderosos percebem que tem algo errado nessas terras e devem se ajustar à maru do lugar. Logo Thagir, Kullat, Driera e IkiDau, e a princesa se ajustam e começam de fato a encarar as adversidades.

Nesse livro fica bem mais claro como a amizade entre Thagir e Kullat é forte e se encaixa perfeitamente. Um é estrategista e extremamente inteligente, o outro impulsivo e extremamente forte. Juntos eles são imbatíveis, mas essa missão vai abalar as convicções dos Senhores de Castelo.

Enfim, antes que eu conte mais do que devia, recomendo imensamente o livro. Demorei pra ler o segundo volume esperando a saída do terceiro. O livro é completamente rico em detalhes e como no primeiro, consegue abrir mundos e explicar cada detalhes deles, sem deixar nenhuma ponta solta. Eu que leio bastante literatura fantástica, dou parabéns aos autores pela bela obra!

Até a próxima!