Resenha: O príncipe gato e a ampulheta do tempo – Bento de Luca

/Editora Novos Talentos/Resenhas/

Editora: Novos Talentos
Autor: Bento de Luca
ISBN: 9788532510891
Edição: 1
Número de páginas: 280
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Através de um Buraco de Minhoca — túnel dimensional que interliga dois mundos — localizado no Parque do Trianon, São Paulo, surge um viajante felino movido por uma única e importantíssima missão: a busca por uma lendária ampulheta. Escondida em algum local inóspito da cidade, a relíquia é a única capaz de salvar Marshmallow, terra do Príncipe Gato, que está à beira da destruição. No entanto, parece que ele não foi o único a atravessar o portal. Seres malignos irromperam das barreiras e logo declararam uma caçada voraz, com objetivos mais sombrios… Além de seus perseguidores, o Gato luta contra seu maior inimigo: o Tempo. É preciso encontrar este objeto antes que seja tarde e seu mundo esteja para sempre perdido. Contudo, ele não estará sozinho nesta empreitada e poderá contar com a ajuda de seus fiéis companheiros.

Minhas impressões

Não sou o que se pode dizer de uma leitora apaixonada por livros de fantasias. O único que li até hoje e que me impressionou foi o Mágico de Oz, mas isso foi há muito tempo atrás. Depois dele, não li mais nenhum… Não por nada, mas não é o tipo de leitura que me atrai… Portanto, vocês verão pouca ou nenhuma resenha de livros desse gênero no Livros e CQ.

Mas, tenho que admitir que O Príncipe Gato, de Bento de Luca também me impressionou e foi uma leitura que foi despertando a minha curiosidade ao decorrer da estória, bem como a vontade de querer saber o que ia acontecer no fim das contas. Cada capítulo do livro é narrado pela visão de um personagem. Os personagens que compõe o primeiro livro da série são:

Hugo – Um jovem rapaz que levava consigo as dores de deixar para trás o seu grande amor por conta de uma doença que aos poucos lhe roubava a vida. Morava sozinho, em um apartamento em São Paulo. Seus pais viviam viajando ao redor do mundo e eram ausentes. Fazia dos livros o seu refúgio para fugir da sua realidade.

O Príncipe Gato – Seu nome não fora revelado, por isso, apenas o chamaremos de O Príncipe Gato. Ele vivia em Marshmallow, onde residia como Príncipe e através do Buraco da Minhoca, se transportou para nosso mundo para cumprir uma importantíssima missão: Encontrar a Ampulheta do Tempo que salvaria o seu mundo da destruição.

O Terceiro e não menos importante, é Eleanor. Ele é um rato sábio que viveu com Adir Wosky, o único humano que já visitara as terras fantásticas de Marshmallow.

Juntos, esses três personagens lutam para desvendar os mistérios em torno da localização da Ampulheta do Tempo. Enfrentam feiticeiros, túneis encantados, forças misteriosas e passam por muitos momentos, de alívio e de aflição. Mas, também há momentos de descontração e pode-se dar boas risadas com as farpas entre o Príncipe Gato e Hugo no início da estória.

Melhor evitar enfrentar o obscuro ou trazer à luz à escuridão? Claridade fulgurante, ou obscuridade incessante? Quem nunca temeu? Quem nunca morreu na tentativa? – Hugo

O enredo é despretensioso, não se prende a nenhum tipo de linguagem, com exceção de algumas falas, onde o autor faz uso de dialetos mais conhecidos em São Paulo. O que, em minha opinião, deveria se tomar mais cuidado no próximo número, pois para quem lê, talvez soe como ‘descuido’ ou ‘vício de linguagem’, mesmo que não seja. Por outro lado, o autor vez por outra utiliza alguns artifícios líricos que dão graça à narrativa.

Reparei que a tarde passava depressa. O sol, embora não o visse, já deveria estar se escondendo no horizonte, e seria a vez de a lua tentar ultrapassar com seu brilho, as nuvens cinzentas. Nas minhas terras não chove tanto assim; chove pouco, na verdade, as gotas têm sabor bem doce. Deliciosos sucos são feitos com essas águas. Agora, a chuva dessa cidade era estranha, um gosto ácido, um cheiro de asfalto quente

O livro me surpreendeu, e confesso que apesar de não ser meu gênero literário preferido, estou curiosa para ler o Livro II.

É isso pessoal, vamos apoiar a Literatura Brasileira que há muito vem nos surpreendendo com Obras maravilhosas.

Observação – Para quem está participando do mesmo Book Tour do Príncipe Gato que eu, aguarde que essa semana o livro será enviado ao próximo da lista * – *

Beijos e até a próxima!
Photo by Erik-Jan Leusink on Unsplash

Resenha: O Vampiro Armand – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Anne Rice
ISBN: 9788532510891
Edição: 1
Número de páginas: 368
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Ele está de volta e fascina a todos que cruzam seu caminho. Eternamente jovem e belo, Armand conta, nestas crônicas, como se tornou uma criatura imortal. De sua infância na antiga Rússia aos primeiros anos como vampiro, na Itália renascentista, uma arrepiante história de sedução e morte.
Não por mãos humanas…
Desconhecido em uma terra distante, capturado e vendido como escravo. Perdida entre mercadores uma criança forçada a trabalhos escravos e abusado de diversas formas. Raptado de sua terra natal é levado de Constantinopla à Veneza. Sem esperança e com a vontade de viver quase extinta ele conhece Marius, o eterno Marius. O símbolo perfeito de um mestre.

Minhas impressões

Amadeo, Andrei, por fim Armand. A história daqui pra frente começa a se repetir dado o fato de que Armand foi um figura muito presente em outro livros das crônicas vampirescas.

Pelo fato de ser um vampiro perfeitamente belo e jovem, Amadeo raptado por Santino, torna-se líder da assembléia de Paris, a mesma assembléia que assombrou Louis e Cláudia no livro Entrevista com Vampiro. Amadeo torna-se Armand e se vê atormentado por um vampiro jovem e com poderes inimagináveis para vampiros novos. Lestat, o príncipe-moleque com sua beleza sem igual, assim como Armand. Com uma filosofia de vida diferente Lestat acaba convencendo Armand a largar a assembléia e seguir sua vida enquanto cuido do Théâtre des Vampires, mas isto já vimos no livro O Vampiro Lestat, então prossigamos.

O livro O Vampiro Armand, começa exatamente onde terminou o livro Mennoch. Os vampiros estão reunidos em frente a igreja de St. Patrick para ver o Véu de Verônica, com a marca do rosto de Jesus marcado com sangue. A loucura entre a massa era palpável. Muitos vampiros novos e velhos estavam se jogando no fogo, ou subindo tão alto até o sol para se entregarem a vontade de Deus. Armand enlouquecido pelo fato de existir um Deus, existir um ser que desde sua Kiev Rus ele acreditou tão piamente e por diversas vezes desacreditado também subiu aos céus. Subiu tão alto que ultrapassou os limites da terra sendo queimado diretamente pelo sol. Por um ínfimo poder, ou vontade divina, esse não foi seu fim.

Caindo em direção à terra como uma estrela cadente, Armand foi guiado por um chamado. Um chamado desesperado de uma criatura que necessitava desesperadamente de sua ajuda. Mesmo ferido e todo coberto por um negrume rígido causado pelo sol, Armand conseguiu salvar a vida de seus amados Benji e Sybelle.

Por amor aos dois, Armand conseguiu se recuperar, auxiliado do poder dado na sua criação por Marius.

Voltando ao seu estado normal, Armand volta para a presença de Lestat, que estava em coma, ou talvez morto, desde seu retorno do inferno com o véu de Verônica. E por um desejo mortal, Armand necessita tomar do sangue de Lestat, comprovar tudo o que Lestat viu. Mesmo correndo risco de morrer pelas mãos de Lestat que não deixava nenhum dos estúpidos vampiros novos chegar perto, Armand crava os dentes em Lestat e vê tudo o que seu sangue tem pra lhe mostrar! Tudo era verdade!

Perdido em pensamentos Armand deixa seus amados humanos sob a guarda de Marius e sai para organizar suas ideias, porém quando retorna para casa percebe que seus amados não estão mais vivos. Estão mortos assim como ele!

O livro é excelente, principalmente pra quem vem acompanhando as crônicas já há algum tempo, pois muito se é explicado na história e finalmente podemos aprender um pouco mais sobre Armand e Marius, duas peças importantes na história, porém pouco citadas. Portanto, vale à pena ler! Agora deixa eu parar de escrever e ir pro próximo livro =]

Photo by Jonathan Gallegos on Unsplash