Resenha: O chamado do anjo – Guillaume Musso

/Editora Verus/Resenhas/

O-chamado-do-anjo-estante-dos-sonhosEditora: Verus
Autor: Guillaume Musso
ISBN: 9788576861805
Edição: 1
Número de páginas: 336
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Nova York, Aeroporto JFK. Na sala de embarque lotada, um homem e uma mulher se esbarram, espalhando suas coisas pelo chão. Após uma discussão banal, cada um segue seu caminho. Madeline e Jonathan nunca haviam se visto e jamais deveriam voltar a se encontrar. Porém, ao recolher seus pertences, trocaram por descuido os celulares. Quando percebem o engano, já estão a dez mil quilômetros um do outro — ela é florista em Paris, ele tem um restaurante em San Francisco. Não demora muito para ambos cederem à curiosidade, explorando o conteúdo dos respectivos aparelhos. Uma dupla indiscrição, que leva a uma revelação inesperada: suas vidas estão ligadas por um segredo que eles julgavam enterrado para sempre… O chamado do anjo é uma trama magistralmente construída, que passeia entre o romance e o suspense, com um final de tirar o fôlego.

Minhas impressões

Jonathan e Madeleine. Aparentemente opostos. Ela uma florista Parisiense. Ele um ex-cozinheiro de prestigio. O que eles têm em comum? O mesmo modelo de celular e alguns segredos ocultos.

Tudo começa no aeroporto JFK, em uma sala de embarque, onde duas pessoas totalmente desconhecidas se esbarram e acabam trocando os celulares e quando percebem o erro cometido já é tarde demais: ele está em São Francisco, e ela na França. Ambos procuram uma maneira de desfazer a troca, porém movidos pela curiosidade, eles decidem vasculhar o aparelho um do outro e descobrir um pouco mais sobre a vida de cada um.

O livro foi uma grande surpresa. Estava esperando algo totalmente clichê, um romance como qualquer outro já lido, porém me enganei totalmente. Primeiro de tudo é que nem sei que classificação de gênero dar para este livro. Ele é tão completo que não sei onde encaixá-lo.

Musso conseguiu fazer um livro para ninguém botar defeito. Ele acertou no enredo, nas tramas paralelas, nos personagens secundários e principalmente nos personagens principais. Jonathan e Madeleine são completamente cativantes. Madeleine não é uma mocinha qualquer, não é aquele tipo de mocinha chata como a Bella, de Crepúsculo. Ela é aquele tipo de mocinha eletrizante, com um ar de heroína que sabe o que faz e onde pisa. Já Jonathan é gente como a gente, bom moço, porém com grandes segredos por trás dessa bondade toda.

É difícil falar sobre este livro porque é tanta coisa que você vai descobrindo a cada pagina lida que eu fico até com medo de revelar algo que não devo.

O passado move todo o enredo e com o andar da carruagem podemos perceber que Jonathan e Madeleine estão mais ligados do que apenas por uma troca de celular.

O que me resta a dizer é que Guillaume Musso é um gênio em criar enigmas e situações eletrizantes. Ele sabe onde e quando encaixar uma cena ou uma ação de algum personagem.

Se você procura por um romance bobo sugiro que não leia este livro. Agora se você quer algo totalmente eletrizante e que deixe qualquer fã de Harlan Coben animado, não pense duas vezes para começar a ler esta magnífica obra.