Resenha: Assassins Creed – Renascença – Oliver Bowden

/Editora Galera Records/Resenhas/

Editora: Galera
Autor: Oliver Bowden
ISBN: 9788501091338
Edição: 1
Número de páginas: 375
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Traído pelas famílias que governam as cidades-estado italianas, um jovem embarca em uma jornada épica em busca de vingança. Para erradicar a corrupção e restaurar a honra de sua família, ele irá aprender a Arte dos Assassinos. Ao longo do caminho, Ezio terá de contar com a sabedoria de grandes mentores, como Leonardo da Vinci e Nicolau Maquiavel, sabendo que sua sobrevivência depende inteiramente de sua perícia e habilidade. Assim começa uma épica história de poder, vingança e conspiração.

Minhas impressões

Vou buscar vingança sobre todos aqueles que traíram minha família. Eu sou Ezio Auditore de Florença. Sou um Assassino…”

Embora eu acreditasse estar aprendendo a viver, estava aprendendo a morrer. – Leonardo da Vinci”

Assassins Creed – Renascença leva o leitor a uma Florença de 1400, trazendo à tona toda a conspiração entre os Assassinos e os Templários. Com um “ar” histórico e fictício, o livro revela para quem já “zerou” os jogos, a história completa que por muitas vezes (principalmente para quem não fala inglês perfeitamente), passa desapercebido.

Contando desde a juventude de Ezio, o autor nos mostra com mais detalhes as tragédias que levaram o personagem principal a se enveredar pelo Credo Assassino. Seu envolvimento com Cristina, sua amada, seu tio Mario e todos seus companheiros de credo.

O livro não traz nada “novo” ou diferente da saga dos jogos, porém tem como objetivo esclarecer pontos que, como disse anteriormente, passam desapercebido pelos jogadores mais fanáticos (o/). Passando por cada missão de Ezio com detalhes conseguimos compreender melhor o enredo e a perceber a complexidade do desenvolvimento da história.

Eu havia acabado de ler Vittorio, o Vampiro que também se passa em Florença, e foi engraçado, pois pontos nos dois livros se encaixam, além das datas. Logo vi que o autor de Assassins Creed fez um trabalho primoroso de história.

O livro revela detalhes da história de Florença, Roma, e Veneza, onde o livro é ambientado. Ezio aprende rápido qual o seu destino: Vingar seus familiares. E assim ele acredita ser por um bom tempo. Porém logo se vê envolvido em algo maior do que sua vingança. Ele se vê no meio de uma trama mais antiga que seus antepassados entre os Assassinos e os Templários, que há muito tentam dominar o mundo com suas ideias mirabolantes.

O autor tomou o cuidado de revelar cada caracterísitca de Ezio e mostrar para o leitor detalhes de cada missão, criando mais que um jogo para o leitor, mas um universo, uma história oculta na história que aprendemos na escola.

A garganta de Francesco agora chacoalhava. Então seus membros se endureceram e sacudiram quando ele atingiu os estertores da morte: a cabeça arqueou para trás, a boca se escancarou quando ele travava a última luta impossível contra o inimigo invencível que todos nós teremos de enfrentar um dia; e então afundou, um saco vazio, encolhido, pálido.

Auxiliado por uma consciência oculta, Ezio logo adiquiri as habilidades de um assassino e passa a colaborar com o credo resolvendo confrontos com os Templários e buscando as sagradas páginas do Codex, deixadas pelo antepassados do credo. Com uma lista em mãos de quem deveria morrer para vingar sua família Ezio chega ao último nome dela: O papa!

Como é tão vã toda nossa esperança,
como uma falácia nossos planos em desnudo,
como no mundo reina a ignorância
nos mostra a Morte, mestra de tudo.
Para uns o dia passa em canto, torneio e dança,
uns dedicam talento às artes e estudo,
uns desdenham o mundo e suas coisas em andança,
outros transformam o sentimento em algo mudo.
Pensamentos e desejos vãos de diversa sorte
pela sabedoria que a Natureza afigura
predominam no mundo errante:
toda coisa é fugaz e pouco dura,
tanto a fortuna quanto o mal constante.
Uma só coisa permanece sempre mensura: a morte.”

Enfim, o livro não é só uma recomendação para quem jogou. O livro é excelente e merece estar em sua biblioteca. Misturando História real com ficção se torna fácil de ler e as 375 páginas passam voando! Vale à pena.

Photo by Candré Mandawe on Unsplash