Resenha: Feche bem os olhos – John Verdon

/Editora Arqueiro/Resenhas/

Editora: Arqueiro
Autor: John Verdon
ASIN: 9788580410730
Edição: 1
Número de páginas: 558
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Amazon

David Gurney sempre foi viciado em resolver enigmas. Mesmo dois anos depois de ter trocado a carreira policial pela pacata vida no campo, sua mente investigativa não consegue resistir a uma boa charada. Foi assim com o caso do Assassino dos Números, um ano antes. Agora, a história se repete quando ele é convidado para trabalhar como consultor e ajudar a polícia a desvendar um instigante homicídio.
Jillian Perry, uma jovem de 19 anos, foi morta de maneira brutal no dia do próprio casamento. Todas as pistas apontam para um misterioso jardineiro, só que nada mais na história se encaixa: o motivo, o lugar onde a arma do crime foi deixada e, principalmente, o modus operandi.

Minhas impressões

Conheci o autor John Verdon depois de uma parceria com a Arqueiro onde recebi o livro “Não brinque com fogo” para resenhar. Posso afirmar com certeza que este autor entrou no meu “hall da fama”. São poucos os autores que ainda conseguem me surpreender hoje em dia. Não, não estou sendo arrogante, muitos autores hoje acabam repetindo muito o enredo e isso torna a trama previsível. O que não é o caso aqui.

David Gurney é um ex-detetive de Nova York, agora aposentado. Muito premiado em seus dias de serviço pela sagacidade e destreza ao resolver casos que pareciam impossíveis. Em seu último caso ele ganhou grande notoriedade, porém como diria Tio Ben “Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades”. Seu último caso quase foi mortal, tanto para ele, quanto para seu casamento. Com isso ele resolve de fato se aposentar.

Como qualquer ser humano normal é difícil largar um hábito e Gurney não consegue deixar seu lado detetive para viver como um homem do campo. Já inquieto ele recebe uma proposta de um antigo colega de trabalho para só “dar uma olhada” em um caso muito estranho que a polícia local não conseguia desvendar. Relutantemente, mas nem tanto, Gurney aceita ver o caso e conversar com a mãe da vítima.

A princípio ele aceita trabalhar como consultor somente por alguns dias, a fim de verificar se não deixaram passar nada na investigação. Eu ia comentar sobre a chatice que é a esposa do Gurney nesse livro, tentando obrigá-lo a mudar de vida, mas deixarei isso de lado. Justamente por essa pressão Gurney se vê dividido entre continuar a investigação ou agradar sua esposa e ficar fora do caso.

Essa dúvida some quando ele passa por uma situação constrangedora que ameaça tanto a investigação quanto sua vida e isso o obriga a ir até o fim.

Uma grande característica do John Verdon é que ele consegue fazer o mistério durar até o fim do livro sem ser chato ou sacana. Por exemplo no seriado CSI quando ocorre um crime sempre aparece um cara suspeito que indica outra pessoa como suspeita que indica uma terceira que é a culpada. Pode perceber que sempre tem essa enrolação nos capítulos, e isso só é usado para encher linguiça…

Aqui, você precisa acompanhar o raciocínio do detetive para conseguir descobrir quem de fato é o culpado. Confesso que uma parte das perguntas que Gurney faz a um dos envolvidos me deixou com uma suspeita, mas eu só confirmei de fato quem era o culpado quando o autor revelou o mesmo e isso é muito bom num livro.

Por fim, é um excelente livro. Não consigo ser mais específico que isso para não estragar as surpresas da trama. Garanto que o autor consegue entregar um bom suspense e ser tão digno quanto outros autores do meio como James Patterson (tirando a saga Bruxos e Bruxas que é péssima!), Harlan Coben, entre outros. Recomendo o livro =]

Até a próxima =)