Resenha: Uma Curva na Estrada – Nicholas Sparks

/Editora Arqueiro/Resenhas/

Uma-curva-na-estrada-estante-dos-sonhosEditora: Arqueiro
Autor: Nicholas Sparks
ISBN: 9788580411157
Edição: 1
Número de páginas: 304
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  85 de 100 pontos
Compre: Amazon

A vida do subxerife Miles Ryan parecia ter chegado ao fim no dia em que sua esposa morreu. Missy tinha sido seu primeiro amor, a namorada de escola que se tornara a companheira de todos os momentos, a mulher sensual que se mostrara uma mãe carinhosa. Uma noite Missy saiu para correr e não voltou. Tinha sido atropelada numa rua perto de casa. As investigações da polícia nada revelaram. Para Miles, esse fato é duplamente doloroso: além de enfrentar o sofrimento de perder a esposa, ele se culpa por não ter descoberto o motorista que a atropelou e fugiu sem prestar socorro.
Dois anos depois, ele ainda anseia levar o criminoso à justiça. É quando conhece Sarah Andrews. Professora de seu filho, Jonah, ela se mudou de Baltimore para New Bern na expectativa de refazer sua vida após o divórcio. Sarah logo percebe a tristeza nos olhos do aluno e, em seguida, nos do pai dele.
Sarah e Miles começam a se aproximar e, em pouco tempo, estão rindo juntos e apaixonados. Mas nenhum dos dois tem ideia de que um segredo os une e os obrigará a tomar uma decisão difícil, que pode mudar suas vidas para sempre. Em Uma curva na estrada, Nicholas Sparks escreve com incrível intensidade sobre as difíceis reviravoltas da vida e sua incomparável doçura. Um livro sobre as imperfeições do ser humano, os erros que todos cometemos e a alegria que experimentamos quando nos permitimos amar”.

Minhas Impressões

Envolvente, apaixonante e te leva às lagrimas.

Sempre tive um enorme desejo de ler algo desse autor, pois não tinha tido esse prazer ainda, só ouvia dizerem que seus livros eram simplesmente ótimos. Infelizmente no começo desse livro, me desanimei com o desenrolar da historia em si, não ia para lugar nenhum, ficava na mesmice de lembranças do passado, e não vinha para o presente, para algo que o leitor tenha aquela ligação e se prenda a leitura. Porém, isso não durou muito, a história de um capítulo para outro jogou o laço e me prendeu em suas páginas sem que eu percebesse.

Os personagens de Sparks nesse livro são cativantes e pessoas simples, para mim quem se destacou foi Sarah Andrews, mulher com fibra, garra e que não se deixou abater por uma situação pessoal desoladora que deixaria qualquer mulher sem saber o que fazer a seguir. Mas ela consegue juntar os pedaços de seu coração e continuar sua vida. Miles Ryan o subxerife também é bem marcante, a forma como ele preza a lembrança de sua esposa Missy e como ficou anos tentando descobrir quem a teria levado se sua vida naquele fatídico dia que lhe tira o sono todas as noites.

A trama em si é em torno do acidente de Missy e seu não solucionamento. A forma como Sparks explorar isso é delicada, levando em consideração muitas vezes a presença de Jonah, filho de Miles e Missy. Porém o garoto tem uma presença importante para o relacionamento de Sarah e Miles. A aceitação na professora namorar o pai, e vê-lo feliz é o mais importante para Jonah.

Desde o começo do livro, imaginei que quem teria atropelado Missy seria alguém próximo a Sarah, durante a leitura tive vários palpites, porém o que Sparks nos reserva ao final do livro é intrigante e ao mesmo tempo da pena.

Outra coisa interessante é a forma como o autor explora o ponto de vista da pessoa que dirigia o carro que bate em Missy. Ao longo do livro tendo seus pensamentos e detalhes sobre o que houve e como ele agiu em diferentes ocasiões sobre o acidente e suas consequências. Em momento algum eu tive raiva do motorista, muitas vezes em seus relatos você consegue sentir sua culpa, angustia e medo nas suas palavras.

Eu adorei o livro, por ser o primeiro que leio desse autor não me decepcionei ao contrario, fiquei animadíssima para ler seus outros romances.

Uma Curva na Estrada, nos leva a repensar a forma que ocorrem acidente ou como alguns “chamam acasos do destino”, leva o protagonista e o leitor a pensar no perdão, que hoje em dia é visto apenas como um fantasma do passado, pois ninguém mais se lembra dessa simples palavra e gesto que pode acalmar a autodestruição de uma vida, e livrar outra das correntes fantasmas do passado e incentivar a seguir adiante.