Resenha: Paperboy – Pete Dexter

/Editora Novo Conceito/Resenhas/

paperboy-peter-dexter-estante-dos-sonhosEditora: Novo Conceito
Autor: Pete Dexter
ISBN: 9788581632186
Edição: 1
Número de páginas: 336
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  80 de 100 pontos
Compre: Amazon

Hillary Van Wetter foi preso pelo homicídio de um xerife sem escrúpulos e está, agora, aguardando no corredor da morte. Enquanto espera pela sentença final, Van Wetter recebe cartas da atraente Charlotte Bless, que está determinada a libertá-lo para que eles possam se casar.
Bless tentará provar a inocência de Wetter conquistando o apoio de dois repórteres investigativos de um jornal de Miami: o ambicioso Yardley Acheman e o ingênuo e obsessivo Ward James.
As provas contra Wetter são inconsistentes e os escritores estão confiantes de que, se conseguirem expor Wetter como vítima de uma justiça caipira e racista, sua história será aclamada no mundo jornalístico. No entanto, histórias mal contadas e fatos falsificados levarão Jack James, o irmão mais novo de Ward, a fazer uma investigação por conta própria. Uma investigação que dará conta de um mundo que se sustenta sobre mentiras e segredos torpes.
Paperboy é um romance gótico sobre a vida aparentemente sossegada das cidades do interior. Um thriller tenso até a última linha, que fala de corrupção e violência, mas que, ao mesmo tempo, promove uma lição de ética.

Minhas Impressões

Li esse livro já há algumas semanas, e vim pensando durante esse tempo o que achei do livro, pois bem, vamos a resenha.

Paperboy é um livro de suspense que trata do assassinato do sheriff de um cidadezinha por um homem de uma família indesejável pela maioria da cidade, os Van Wetter. As circunstâncias da prisão de Hillary são estranhas, mas pelo fato dele ser um Van Wetter ninguém se importa se ele é inocente ou não, mas existe uma pessoa que se importa. Charlotte Bless, uma estranha mulher que se comunica com homens presos e no corredor da morte, garante que Hillary é inocente. Depois de muita insistência ela consegue convencer dois repórteres do Miami Times a investigarem o caso.

Ward, filho mais velho do editor do jornal da cidade, que conseguiu sair do interior e se dar bem na “cidade grande”, é o responsável por conduzir essa investigação. Ward é conhecido por não desistir fácil de seus objetivos e cabe a ele garantir que os moradores da cidade cooperem com a investigação. O que complica a investigação é que o Sheriff que foi morto era tido como um herói da cidade, enquanto Hillary, um marginal.

Não sei se vocês já assistiram alguma vez aqueles programas no History Channel ou no National Geographic que mostra aquelas famílias que vivem em pântanos nos Estados Unidos. Se já assistiram vão entender o que vou falar. Os Van Wetter são desse tipo de família. Totalmente reclusos, caçam e vivem do pântano. Até mesmo casamento e relacionamentos ocorrem entre família. Hillary Van Wetter foi preso por supostamente vingar seu primo, morto pelo Sheriff.

Durante a investigação Ward percebe que tem muitos pontos faltando, como provas, que contestam a prisão de Hillary. O racismo contra essa família, pode ter sido o ingrediente principal para a prisão. A coisa complica, pois as pessoas envolvidas não querem revelar nada que possam tirar Hillary da cadeia.

Esse jogo de mentiras e descobertas que dão o suspense ao livro e prendem até o fim. A obsessão de Ward misturado com a inocência do irmão vão formando essa trama estranha que mostra que nenhum homem é incorruptível.

O livro é muito bom, porém é o tipo de livro para quem realmente gosta de ler. Parece idiota o que falei, mas é verdade. Paperboy não é do tipo de livro que tem um mocinho e um vilão que no fim é pego. Confesso que ao final do livro fiquei meio perdido, sem saber o que escrever sobre ele, mas compreendi que o intuito do autor era realmente levar a pensar no que ele escreveu. Sobre esse conceito de herói e vilão. Você começa a ler e já aponta do dedo para os Wetter julgando-os, enquanto o Sheriff mata diversos negros por puro preconceito. É aí que entram os fatos no livro, mostrando que os rótulos que colocamos, podem não ser o certo.

Enfim, o livro é muito bom. Recomendo a leitura desse belo suspense pra quem realmente não gosta de largar o livro pela metade. Vale a pena no final. Até a próxima e deixem os comentários sobre o que acharam do livro.

Ia esquecendo de comentar. Esse livro tem um filme, logo mais coloco minhas impressões sobre o filme também.