Resenha: A culpa é das estrelas – John Green

/Editora Intrínseca/Resenhas/

a-culpa-e-das-estrelas-john-green-estante-dos-sonhosEditora: Intrínseca
Autor: John Green
ISBN: 9788580572261
Edição: 1
Número de páginas: 288
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

Minhas impressões

Comecei a ler A culpa é das estrelas em um domingo à tarde, porém no sábado da noite anterior estava assistindo um filme que falava do sofrimento de uma família do qual a filha sofria com um câncer.

E esse é um livro que já estava interessada em lê (bem antes do filme), então desde o filme já estava em uma pegada um pouco tensa e chorosa, principalmente porque a sete meses um parente muito próximo lutou nessa guerra contra o próprio corpo.

O livro é extraordinário, é engraçado, é sério e acima de tudo é inteligente. A todo momento me colocava em conflitos de pensamentos, muitos questionamentos dos personagens são os mesmos que temos em várias situações (se nunca teve, pode ter certeza que uma hora terá!), não só no momento em que estamos com um câncer.

Como os nossos familiares se sentem? O que eles pensam? Como será a vida dos nossos pais? Ou dos nossos filhos?
Eu devo deixar essa pessoa maravilhosa se apaixonar por alguém que está condenado? Devo afasta-lo de mim, para que ele não sofra eternamente com a minha perda para a morte? Será que está certo seguir esse relacionamento? Sinto que vou me machucar!

Qual é o tamanho da dor emocional, psicológica e física?

Bem… são muitos questionamentos no fim desse livro, questionamentos que nos fazem ver que de fato cada minuto é mais que precioso, e que de fato não temos um futuro, mas sim planos para o futuro e nada mais do que isso.

Apesar de tudo, após sua leitura, vejo que não é uma história que te deixe para baixo, muito pelo contrário, as piadas de Augustus e Isaac são perfeitas, mostra que o bom humor, as amizades e o amor ultrapassa qualquer um dos questionamentos citados acima, que o amor é eterno e rompe qualquer barreira entre o hoje e o amanhã, entre o céu e a terra, ou entre a vida e a morte. Nos mostra que tudo que parece ruim tem seu lado bom, tem sua piada, tem sua experiência e o melhor, tem o amor.

Se pudesse descrever o livro eu diria “Uau!”.

Daqui a um ano quero ler de novo e ver quais serão minhas impressões.
Até o próximo =)