Resenha: Príncipe Lestat – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Anne Rice
ASIN: 9788532529794
Edição: 1
Número de páginas: 528
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Amazon

A autora do clássico Entrevista com o vampiro volta ao universo que a consagrou. Príncipe Lestat traz de volta o mundo belo e assustador das Crônicas Vampirescas e personagens que se tornaram eternos na imaginação e no coração dos leitores, entre eles Louis de Pointe du Lac e o eternamente jovem Armand, além de novas e sedutoras criaturas sobrenaturais. Pairando sobre todos, o desaparecido herói-andarilho, o perigoso e rebelde fora da lei – a esperança dos Mortos-Vivos – Príncipe Lestat. Neste romance inédito, ansiosamente aguardado por milhares de fãs da autora, o mundo dos vampiros está em crise; por todo o globo, eles têm sido queimados, e grandes massacres ocorrem, ordenados por uma voz misteriosa. Cabe a Lestat e seu séquito de bebedores de sangue desvendar os segredos sobre o que essa voz quer, e por quê, nesta trama ambiciosa, devastadora e luxuriante.

Minhas impressões

Eu não costumo muito acompanhar outros blogs de livros a não ser das editoras para evitar que minhas resenhas sejam influenciadas, besteira eu sei, mas tento sempre fazer isso, portanto não fazia ideia que a Anne havia lançado um novo livro. A última notícia que eu havia ouvido era que ela se converteu e não iria mais escrever sobre vampiros.

Fiquei extremamente feliz pela conversão, mas triste por não poder ler mais sobre o mundo vampiresco e claro, não poder ler sobre o Lestat. Mas… Para minha alegria e felicidade da nação, ela escreveu mais um livro e creio que sua obra final. Príncipe Lestat, sua masterpiece =) (eu espero que não, mas se ela terminar assim, terminou excelentemente bem).

Resenha: De amor e maldade – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Denis Thériault
ISBN: 9788532521903
Edição: 1
Número de páginas: 176
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos

segundo volume da série As Canções do Serafim, iniciada com Tempo dos anjos, a veterana escritora Anne Rice retoma a saga de Toby O´Dare, o ex-assassino de aluguel que continua sua árdua jornada em busca da redenção após dez longos anos de crimes com a ajuda do serafim Malchiah e com seu próprio anjo da guarda, Shmarya. Com seu talento singular para lidar com o sobrenatural, Rice troca os vampiros pelos anjos e mostra que continua uma imbatível contadora de histórias nesta trama dotada de magnífica reconstituição histórica e instigantes questionamentos metafísicos.

Minhas Impressões

Sempre que leio um livro chato, corro atrás de um livro do Stephen King ou da Anne Rice pra não perder o prazer de ler. Ainda bem que esse livro também é assim.

Esse foi o primeiro livro da “saga” de Anjos que li. É estranho, pois já estou acostumado com toda a sedução das crônicas vampirescas, principalmente acostumado com o Lestat. É difícil ler um livro dela, sem ele.

Deixando o saudosismo de lado, a autora traz uma nova história sobre o Tempo dos Anjos, mas nos mesmo moldes das crônicas, ou seja, não é necessário ler as outras obras para entender a atual.

Temos um “herói” que é convocado pelos anjos para completar tarefas divinas. Aqui abro um parêntesis para a forma que ela apresenta a “mitologia” dos anjos. Toby é enviado ao passado afim de responder uma prece feita por um judeu, bem na época da inquisição. Achei interessante a ideia de tempo assíncrono para os anjos. Todas as preces feitas são respondidas, mas em tempos diferentes. É uma ideia genial!

Toby é incumbido de resolver um problema que está acontecendo com uma família que acredita que seu médico está envenenando o filho mais velho. Toby precisa ser rápido, pois a inquisição está no auge. Basta um boato pra ser jogado no fogo. Lembrando que os judeus eram particularmente odiados nessa época.

Pra quem não lembra, na época da páscoa os judeus eram proibidos de saírem de casa, pois era considerados os assassinos de Jesus. Por muitos anos era costume no domingo de páscoa as pessoas saírem à caça dos judeus, para “vingarem Deus”. Portanto você verão que muito do livro realmente aconteceu e a Anne utiliza disso para deixar o livro mais interessante. Como comentei, os moldes desse livro segue o padrão da autora. Convenhamos que ela sabe como escrever um bom livro.

Enfim… Por mais que o assunto do livro tenha mudado, a qualidade continua a mesma. É o típico livro que devora-se em um dia. O boato de que ela parou de escrever sobre vampiros parece ser verdadeiro, infelizmente. Todavia ela continua escrevendo excelentemente bem. Continuo recomendando os livros dela =]

Até a próxima 😉

Resenha: As vantagens de ser invisível – Stephen Chbosky

/Editora Rocco/Resenhas/

as-vantagens-de-ser-invisível-estante-dos-sonhosEditora: Rocco Jovens Leitores
Autor: Stephen Chbosky
ISBN: 9788532522337
Edição: 1
Número de páginas: 223
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Cartas mais íntimas que um diário, estranhamente únicas, hilárias e devastadoras – são apenas através delas que Charlie compartilha todo o seu mundinho com o leitor. Enveredando pelo universo dos primeiros encontros, dramas familiares, novos amigos, sexo, drogas e daquela música perfeita que nos faz sentir infinito, o roteirista Stephen Chbosky lança luz sobre o amadurecimento no ambiente da escola, um local por vezes opressor e sinônimo de ameaça. Uma leitura que deixa visível os problemas e crises próprios da juventude.

Minhas impressões

Charlie é um garoto peculiar, muito retraído e observador e isso faz com que ele seja um daqueles garotos isolados que não conversam com ninguém. Após passar por uma tragédia, ele se vê sozinho no colegial, o equivalente ao ensino médio para nós.
Lembrem-se quando vocês foram cursar o primeiro dia do ensino médio. Aquele medo de não fazer parte de algum grupo, de parecer criança demais, afinal, era o ensino médio. Assim também foi com Charlie.

Tentando “participar”, Charlie acaba conhecendo Patrick e Sam, dois veteranos em seu último ano na escola. Sam e Patrick eram, como eu poderia descrever? Eles eram os “estranhos” do colegio. Sabem aqueles alunos que nem são esportistas, nem nerds? São alternativos. (Espero ter conseguido descrever) Enfim, os dois não se importam com o fato de Charlie ser um novato e logo o inclui no grupo. Algo que Charlie nunca fez na vida.

Pelo livro ser narrado em primeira pessoa, você se sente extremamente ligado ao personagem principal, e “sente” todos os detalhes que ele descreve.

É como se ele tirasse uma foto da Sam e a foto saísse linda. E ele pensasse que o motivo para a foto sair bonita fosse ele fotografar bem. Se eu fizesse a foto, saberia que o único motivo da beleza é a própria Sam

Se você ouvir a canção “Asleep” e pensar naqueles lindos dias de chuva que fazem você se lembrar das coisas, e você pensar nos mais belos olhos que já viu, e você chorar, e a pessoa abraçar você, então eu acho que você vai ver a fotografia.

Fiquei curioso pra ler o livro após assistir o filme. O filme em si é espetacular, contando com atores como Ezra Miller e Emma Watson, e como os livros são sempre melhores que os filmes resolvi ler e conhecer mais da história de Charlie.

A família de Charlie é uma típica família americana com três filhos. O mais velho na faculdade, a irmã do meio com as implicâncias de irmão do meio e Charlie o caçula, mais isolado.

Eu só queria saber o que comprar para meu pai porque eu o amo. E eu não conheço ele. E ele não gosta de falar de coisas como essas.

Citei acima que Charlie era extremamente observador e isso fazia com que ele pensasse em coisas que não lhe cabiam, não era de sua responsabilidade. Empatia seria a palavra certa.

Não sei porquê, mas eu entendo por que meu pai teve de sair desta casa. Quando ele soube que minha avó nunca encontraria outro home porque não tinha mais confiança e nunca mais olharia para nenhum outro porque não sabia como. E quando ele viu que a irmã começou a trazer versões mais novas dos padrastros para casa para namorar. Ele não podia ficar.

É engraçado ver Charlie passando por momentos tão marcantes da adolescência, como o primeiro beijo, o início e fim de um namoro, com toda a inocência que ele tem.

E ela me beijou. Foi um tipo de beijo que eu nunca poderia contar a meus amigos como foi veemente. Foi tipo de beijo que me fez saber que eu nunca seria tão feliz em toda a minha vida.

‘Beije na boca da garota mais bonita da sala.’ Foi quando eu escolhi ser sincero. Pensando nisso agora, eu provavelmente não podia ter escolhido um momento pior.

Eu me identifiquei bastante com esse livro. Essa solidão tão arraigada na pessoa, tão sólida que poderia ser apalpada. E uma frase em particular que ele fala é a realidade de muita gente.

Não sei por quanto tempo eu posso continuar sem um amigo. Eu costumava ser capaz de fazer isso com muita facilidade, mas foi antes de eu saber como era ter um amigo.

Você pode pensar que era somente um problema de Charlie, pois ele tinha a família dele como companhia, mas quem é solitário, sabe como é diferente um amigo de um irmão. Por ser muito empático, ele nunca colocava as necessidades próprias na frente da necessidade dos outros.

Pra falar a verdade, eu sabia que ela queria ficar sozinha com Erik, mas eu queria muito ter companhia. Mas eu sabia que não era justo estragar o tempo dela só porque eu sentia falta de todo mundo, então apenas disse boa noite e saí.

“Eu morreria por você. Mas não viveria por você.” Algo assim. Acho que a ideia é que cada pessoa tem de viver a própria vida e depois escolher compartilhá-la com outra pessoa. Talvez seja isso que faça com que as pessoas “participem.”

Depois de um tempo e com ajuda dos amigos, Charlie consegue descobrir alguns segredos que ele mesmo ocultou de si. Isso acaba ajudando na recuperação dele.

Já aconteceu com você? Já se sentiu muito mal, depois tudo passar e você não saber por quê? Eu tento me lembrar, quando me sinto ótimo como agora, que haverá outra semana terrível algum dia, então procuro guardar o maior número de detalhes que posso, e assim na próxima semana terrível, vou poder lembrar esses detalhes e acreditar que vou me sentir bem novamente. Não funciona muito, mas acho importante tentar.

Então, se esta for a minha última carta, por favor, acredite que está tudo bem comigo, e mesmo quando não estiver, ficará bem logo depois.

Enfim. O livro é excelente. O diferencial nele é a narrativa em primeira pessoa que sempre leva o leitor a “sentir” mais o livro. Em alguns momentos tem que segurar o choro pra não chorar junto com o personagem. Você se alegra, tem vergonha, raiva, e todos os sentimentos que Charlie passa. Nunca me identifiquei tanto com um personagem.

Recomendo muito o livro e o filme. Pra dar mais vontade ainda de ler o livro, abaixo estão as músicas que Charlie gravou pra Sam.

Até a próxima!

As vantagens de ser invisível by André Gomes on Grooveshark

Como não achei uma das músicas. Segue o link do youtube: http://www.youtube.com/watch?v=2mBfg60P6Io

Resenha: Esperança – Suzanne Collins

/Editora Rocco/Resenhas/

A-esperança-suzanne-collins-estante-dos-sonhosEditora: Rocco
Autor: Suzanne Collins
ISBN: 9788579800863
Edição: 1
Número de páginas: 421
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  90 de 100 pontos

O volume final da trilogia “Jogos Vorazes”, de Suzanne Collins, é exatamente o livro pelo qual os fãs esperavam: complexo, imaginativo e, ao mesmo tempo, brutal e humano. Depois de sobreviver aos jogos por duas vezes, Katniss Everdeen tentará se encontrar no papel de símbolo de uma revolução, enquanto luta para proteger sua mãe e sua irmã no meio de uma guerra. A série, com mais de quatro milhões de exemplares vendidos apenas nos Estados Unidos, é o mais novo fenômeno da literatura jovem dos últimos tempos, e mistura ficção científica com reality show, passando pela mitologia e pela filosofia com muita ação e aventura.

Minhas impressões

Enfim o último livro da série. Confesso que estava enrolando pra ler este livro, justamente por ser o último e rolar todo aquele sentimento de que acabou, mas vamos lá. Tem um pouquinho de spoiler abaixo ok?

Já era esperado que o livro fosse muito movimentado devido os acontecimentos do Em Chamas. A surpresa maior foi a descoberta do distrito 13 e a partir dessa descoberta se desenrola todo um esquema rebelde para acabar com a soberania da capital sobre os distritos. Katniss ainda ferida se vê no meio de toda essa trama com o papel mais importante, unir o povo.

É sabido pelos leitores o péssimo jeito que ela tem com as pessoas. Ela é egoísta e tem um instinto de sobrevivência maior que qualquer outro sentimento que tenha, porém algo que ela esbanja é espontaneidade, e por mais que eu tenha raiva dela, heroísmo. Heroísmo esse que garante o sucesso na missão dela, mas não se engane, existem diversas reviravoltas no livro.

– Que você o quê?
– Que eu soube que tinha julgado você de maneira equivocada. Que você realmente o ama. Não estou dizendo de que modo isso acontece. De repente nem voc~e mesma sabe. Mas qualquer pessoa que preste atenção consegue ver o quanto você gosta dele – diz Finnick com delicadeza…

O livro é bom, fecha completamente a história sem deixar pontos em aberto, (sempre existe um porém) porém, confesso que fiquei extremamente irritado com a Katniss e seu egoísmo diante do Peeta, que mesmo sofrendo tortura consegue demonstrar o amor que sente por ela. Tem partes no livro que a surpresa é tanta que você prende a respiração, ou larga o livro pra ler mais tarde…

– Eu não suporto, Katniss! Eu obviamente não suporto. Eu me arrasto dos pesadelos todas as manhãs e descubro que não há nenhum alívio em estar acordado…

– Você ainda está tentando me proteger. Verdadeiro ou falso? – sussurra ele.
– Verdadeiro – respondo. A resposta parece requerer mais explicações. – Porque isso é o que você e eu fazemos. Protegemos um ao outro. – Depois de mais ou menos um minuto, ele cai no sono…

Bom. O livro tem a mesma qualidade dos outros dois, porém como “crítico”, assumo que não gostei totalmente do livro. Ficou devendo muito na parte do romance entre Katniss e Peeta. O romance deles se limita somente a um “- Verdadeiro”. Recomendo a leitura, afinal precisamos abrir mão e aceitar que acabou =/. Que venham os filmes o/

Resenha: Em chamas – Suzanne Collins

/Editora Rocco/Resenhas/

Em-chamas-suzanne-collins-estante-dos-sonhosEditora: Editora Rocco
Autor: Suzanne Collins
ISBN: 9788579800641
Edição: 1
Número de páginas: 416
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Depois da improvável e inusitada vitória de Katniss Everdeen e Peeta Mellark nos últimos Jogos Vorazes, algo parece ter mudado para sempre em Panem. Aqui e ali, distúrbios e agitações dão sinais de que uma revolta é iminente. Katniss e Peeta, representantes do paupérrimo Distrito 12, não apenas venceram os Jogos, mas ridicularizaram o governo e conseguiram fazer todos – incluindo o próprio Peeta – acreditarem que são um casal apaixonado.
A confusão na cabeça de Katniss não é menor do que a das ruas. Em meio ao turbilhão, ela pensa cada vez mais em seu melhor amigo, o jovem caçador Gale, mas é obrigada a fingir que o romance com Peeta é real. Já o governo parece especialmente preocupado com a influência que os dois adolescentes vitoriosos – transformados em verdadeiros ídolos nacionais – podem ter na população. Por isso, existem planos especiais para mantê-los sob controle, mesmo que isso signifique forçá-los a lutar novamente.

Minhas impressões

Li esse livro tão ansiosamente que acabei esquecendo de fazer resenha =/

Eu posso começar falando desse livro falando que eu tomei um susto. Entre os três livros, posso falar que esse foi o preferido. Claro que, o primeiro da série foi uma surpresa com toda a história sobre os jogos vorazes, Capital, distritos, etc. Porém nesse segundo livro, toda a expectativa que você tinha do primeiro livro pra saber o que aconteceria depois dos jogos, sofre uma reviravolta imensa.

Obrigados a viajar por todos os distritos para demonstrar “a vitória” da Capital no fim dos jogos, estranhas demonstrações públicas são feitas por onde Katniss e Peeta passam, gerando a desconfiança do presidente Snow.

Ainda sem saber bem o que acontece entre ela e Peeta, os dois seguem encenando um romance dia as televisões, mas mal eles sabem o que está por vir.

Enfim. Pra evitar ficar dando spoiler, o livro é eletrizante como o primeiro. Arrisco dizer que é mais “desesperador”, tanto que li em um dia e meio. Recomendo a compra com certeza =)!

Resenha: Merrick – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Anne Rice
ISBN: 9788532513144
Edição: 1
Número de páginas: 334
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

A convivência com Merrick fez surgir em David uma paixão avassaladora, porém impossível. Primeiro pela considerável diferença de idade ? ele tinha setenta anos, ela, 24 e, segundo, pela sua condição de vampiro. Logo após ter sua alma transferida para o corpo de um rapaz, por obra do Ladrão de Corpos, recebeu contra a sua vontade o Sangue Negro e passou a ser autor das histórias que envolvem seres como ele. Seu Mestre e Criador, o sedutor Lestat, vive agora relegado a uma espécie de coma, após o encontro com o demônio Memnoch. David, portanto, não pode contar com sua ajuda na luta contra o desejo de imputar à Merrick o fardo da imortalidade. Por ter vivido como humano até a velhice, a sexualidade tem em David-vampiro uma outra significação.

Minhas impressões

Narrado novamente por David, Merrick começa em um ponto após O Vampiro Armand também narrado por ele. Vemos logo uma diferença na ausência de Lestat que está numa espécie de coma depois de sua aventura com Memnoch. Para os apaixonados por esse personagem é excruciante ler um livro sem ele. Porém a história volta-se para uma personagem conhecida somente por DAvid enquanto ele era grão mestre da Talamasca. Merrick, morena, se passava por branca, olhos verdes e um corpo sedutor entra na vida de David e Aaron jovem em Oak Haven, casa matriz da Talamasca em Nova Orleans. Essa garotinha trazia poderes incomensuráveis para a Talamasca.

Numa trama totalmente inesperada Anne Rice traz novamente nossos amados personagens à tona.

Por que a vergonha e o ódio a si mesmo se transformam em crueldade para com os inocentes?

Como sempre tento trazer uma resenha do livro com o mínimo possível de revelação sobre o mesmo. Odeio que estraguem a surpresa de um livro e não faço isso com os outros =).

Novamente Anne Rice consegue enganar seus leitores. Digo isso, pois a trama começa sim com uma narrativa, porém com um personagem totalmente diferente do que já vimos em livros anteriores. Ela nos dá o presente de conhecer mais David Talbot, personagem até hoje misterioso por si só. Nos leva a aventuras e amores que ele teve mais jovem (com quase 70 anos rs). Quando você acha que a trama está saindo do foco, que é vampiros, a mesma dá uma guinada e nos leva a um ponto inesperado.

É engraçado como amamos e odiamos com a mesma medida os personagens desses livros. Claro que Lestat já conquistou um lugar privilegiado em nosso conceito e isso faz com que um livro sem ele fique “menos saboroso”.

Não por menos David e Louis enveredam por um caminho que nem mesmo David, com sua experiência mortal de setenta e poucos anos, havia tentado. A única coisa que posso falar em relação a isso é que Cláudia, ainda nos atormenta.

Sem falar que Louis reserva uma surpresa assustadora nesse livro… Tá bom já falei demais.

Enfim, outro livro da Anne Rice que leio avassaladoramente. Sinceramente não sei qual deles é o melhor. Recomendo!

Até a próxima!

Resenha: Vittorio, o Vampiro – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Anne Rice
ISBN: 9788532511546
Edição: 1
Número de páginas: 207
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Sim sou um vampiro, como já disse, sou uma coisa abjeta que se alimenta da vida mortal. Existo com tranquilidade, relativamente contente, na minha terra natal, nas sombras escuras do meu castelo. E Ursula está a meu lado, como sempre, e quinhentos anos não chega a ser tanto tempo para um amor tão forte quanto o nosso.

Minhas impressões

“Tinha dezesseis anos quando morri. Tenho boa altura, bastos cabelos castanhos que batem nos meus ombros, olhos cor de avelã demasiado vulneráveis para se manterem fixos por muito tempo, dando-me uma aparência de certa forma andrógina, e um nariz desejavelmente afilado com narinas discretas, e uma boca de tamanho médio que não é voluptuosa nem sovina. Um menino bonito para a época. Não estaria vivo hoje se não o tivesse sido.”

Vittorio, filho de um senhor feudal, vive em um castelo tranquilo com sua família e os serviçais das aldeias próxima ao castelo e leva uma vida boa voltada aos estudos e admiração das artes daquele tempo. Durante um sonho Vittorio se vê segurando as cabeças de seus irmãos, mal ele sabia que isso não seria somente um sonho.

Seu pai, um homem sensato se vê encurralado por uma antiga dívida. Tão antiga quanto o pai de seu pai, que há muito não era paga. Sem entender Vittorio tenta descobrir que dívida era essa e porque seu pai demonstrava tanto medo ao encontrar-se com um homem misterioso no meio da noite. Foi durante a noite seguinte que Vittorio vê cada familiar seu ser mutilado por demônios que ele jurou matar. Por misericórdia de um desses demônios ele conseguiu sobreviver e fugir para outra cidade. Santa Madallana.

Santa Madallana, uma cidade pequena e muito próspera, com ruas limpas, pessoas saudáveis e igrejas grandes onde ele poderia buscar abrigo. Em busca de abrigo e compreensão, ele contou tudo que vira a um jovem padre dominicano que fica irrequieto e não sabe o que dizer à Vittorio, pedindo e ao mesmo tempo expulsando Vittorio da cidade. Desnorteado com a expulsão do padre em quem ele confiara para contar o que acontecera com sua família, ele se tornou mais obcecado e resolveu descobrir por si só o que estava acontecendo com aquela cidade tão próspera e sem nenhuma mazela.

Andando pela cidade ouviu histórias estranhas e conversas suspeitas sobre uma suposta irmandade, monges que levavam seu doentes e deficientes para um hospital para trata-los. Até mesmo os que tinham a peste! O que era realmente muito estranho. Advertido diversas vezes para não ir para o norte Vittorio fez justamente o que não devia. Não retornou à noite para sua estalagem e se escondeu em uma antiga torre. Quando o sono já ia lhe vencendo ele viu os supostos monges chegando na cidade para levar seus doentes. Já se preparando para segui-los, foi surpreendido por um dos “monges” atrás dele. Tudo a seguir foi num turbilhão. Foi capturado e carregado. Parecia estar voando! Com sua adaga escondida conseguiu apunhalar o monge nas costas diversas vezes e com tristeza percebeu que realmente estava voando. Astucioso como era, mesmo desorientado e com força menor conseguiu vencer esse monge, mas era tarde demais, toda a congregação estava em sua volta. Ainda não foi morto, por misericórdia do mesmo demônio que ele vira em outra noite.

Julgado pela Corte do Graal de Rubi foi condenado às masmorras para enlouquecer com as poções que lhe eram servidas. Depois de muito tempo de cativeiro foi largado em Florença desacordado. O que os membros da Corte não esperavam era que ele fosse tão sagaz a ponto de conseguir se desfazer dos efeitos das poções. Cada vez mais perto da verdade Vittorio começou a procurar vestígios desses demônios e o que eles representavam.

…que o próprio fato da mortalidade corporal do homem é devido à compaixão de Deus, que não nos conservaria para sempre presos à miséria desta vida. A crueldade dos demônios não foi julgada merecedora dessa compaixão, e na miséria de sua condição com uma alma sujeita a paixões, não lhes foi concedido o corpo mortal, que o homem recebeu, e sim um corpo eterno.

E assim mais uma vez ele arquitetou sua vingança. Agora auxiliado por uma força divina! Mesmo sabendo que trairia o acordo divino que fizera, Vittorio não conseguiu se vingar de sua amada e se entregou ao amor dela, transformando-se em um vampiro.

Amaldiçoado, Vittorio vinga-se da cidade de Santa Madallana que se viu desgraçada pelo pacto que haviam feito com os demônios da corte. Porém sua maldição não acaba somente aí. Vittorio recebe o “poder” de ver a alma de um ser humano. Uma aura dourada que todo ser humano carrega consigo, mas esse “poder” foi lhe dado como um castigo, para que a cada vida que ele tire, possa ver essa luz se extinguindo…

Anne Rice inicia este livro com um objetivo muito difícil; não se relacionar com nenhum de seus outro livros. E ela consegue isso com louvor. Por mais que o livro se passe em Florença e em seus arredores, a história toda é voltada para a vida de Vitorio e sua luta contra a transformação.

Mesmo sendo um propósito difícil, Anne Rice consegue desenrolar uma história que em nenhum momento lembra os outros personagens, mostrando assim que existe muito chão para percorrer antes que este assunto canse. O livro instiga o leitor a cada página, fazendo citações históricas sobre florença enquanto acompanhamos a luta de Vittorio para se vingar.

Enfim, o livro é excelente e vale a pena ser colocado em sua estante após ser lido. Desculpe a péssima resenha acima, mas ando meu relapso para escrever =/. Deixem seus comentário =)

Resenha: O Vampiro Armand – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Anne Rice
ISBN: 9788532510891
Edição: 1
Número de páginas: 368
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Ele está de volta e fascina a todos que cruzam seu caminho. Eternamente jovem e belo, Armand conta, nestas crônicas, como se tornou uma criatura imortal. De sua infância na antiga Rússia aos primeiros anos como vampiro, na Itália renascentista, uma arrepiante história de sedução e morte.
Não por mãos humanas…
Desconhecido em uma terra distante, capturado e vendido como escravo. Perdida entre mercadores uma criança forçada a trabalhos escravos e abusado de diversas formas. Raptado de sua terra natal é levado de Constantinopla à Veneza. Sem esperança e com a vontade de viver quase extinta ele conhece Marius, o eterno Marius. O símbolo perfeito de um mestre.

Minhas impressões

Amadeo, Andrei, por fim Armand. A história daqui pra frente começa a se repetir dado o fato de que Armand foi um figura muito presente em outro livros das crônicas vampirescas.

Pelo fato de ser um vampiro perfeitamente belo e jovem, Amadeo raptado por Santino, torna-se líder da assembléia de Paris, a mesma assembléia que assombrou Louis e Cláudia no livro Entrevista com Vampiro. Amadeo torna-se Armand e se vê atormentado por um vampiro jovem e com poderes inimagináveis para vampiros novos. Lestat, o príncipe-moleque com sua beleza sem igual, assim como Armand. Com uma filosofia de vida diferente Lestat acaba convencendo Armand a largar a assembléia e seguir sua vida enquanto cuido do Théâtre des Vampires, mas isto já vimos no livro O Vampiro Lestat, então prossigamos.

O livro O Vampiro Armand, começa exatamente onde terminou o livro Mennoch. Os vampiros estão reunidos em frente a igreja de St. Patrick para ver o Véu de Verônica, com a marca do rosto de Jesus marcado com sangue. A loucura entre a massa era palpável. Muitos vampiros novos e velhos estavam se jogando no fogo, ou subindo tão alto até o sol para se entregarem a vontade de Deus. Armand enlouquecido pelo fato de existir um Deus, existir um ser que desde sua Kiev Rus ele acreditou tão piamente e por diversas vezes desacreditado também subiu aos céus. Subiu tão alto que ultrapassou os limites da terra sendo queimado diretamente pelo sol. Por um ínfimo poder, ou vontade divina, esse não foi seu fim.

Caindo em direção à terra como uma estrela cadente, Armand foi guiado por um chamado. Um chamado desesperado de uma criatura que necessitava desesperadamente de sua ajuda. Mesmo ferido e todo coberto por um negrume rígido causado pelo sol, Armand conseguiu salvar a vida de seus amados Benji e Sybelle.

Por amor aos dois, Armand conseguiu se recuperar, auxiliado do poder dado na sua criação por Marius.

Voltando ao seu estado normal, Armand volta para a presença de Lestat, que estava em coma, ou talvez morto, desde seu retorno do inferno com o véu de Verônica. E por um desejo mortal, Armand necessita tomar do sangue de Lestat, comprovar tudo o que Lestat viu. Mesmo correndo risco de morrer pelas mãos de Lestat que não deixava nenhum dos estúpidos vampiros novos chegar perto, Armand crava os dentes em Lestat e vê tudo o que seu sangue tem pra lhe mostrar! Tudo era verdade!

Perdido em pensamentos Armand deixa seus amados humanos sob a guarda de Marius e sai para organizar suas ideias, porém quando retorna para casa percebe que seus amados não estão mais vivos. Estão mortos assim como ele!

O livro é excelente, principalmente pra quem vem acompanhando as crônicas já há algum tempo, pois muito se é explicado na história e finalmente podemos aprender um pouco mais sobre Armand e Marius, duas peças importantes na história, porém pouco citadas. Portanto, vale à pena ler! Agora deixa eu parar de escrever e ir pro próximo livro =]

Resenha: Jogos Vorazes – Suzanne Collins

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Suzanne Collins
ISBN: 9788579800245
Edição: 1
Número de páginas: 400
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Jogos Vorazes é um romance de ficção científica para jovens adultos escrito por Suzanne Collins.
Foi originalmente publicado em 14 setembro de 2008 pela editora Scholastic, nos Estados Unidos. Já no Brasil o lançamento foi só em setembro de 2010.
Ele apresenta Katniss Everdeen de dezesseis anos, que vive em um mundo pós-apocalíptico no país de Panem onde costumava ser os Estados Unidos e onde poderosos governantes detém o poder em uma cidade central chamada de Capital.
No livro, os Jogos Vorazes são um evento anual na televisão, onde a Capital escolhe um menino e uma menina de cada distrito para lutar até a morte. Os Jogos Vorazes existem para demonstrar que nem mesmo as crianças estão acima do poder da Capital.

Minhas Impressões

Fiquei sabendo desse livro pela minha amiga Pâmela do blog Sonhe com Livros. A princípio fiquei temeroso de largar O Vampiro Armand da Anne Rice pra ler esse livro que todos estavam falando.
Comprei o livro e comecei a ler na volta pra casa, quando percebi falei: “- Ei! Perai, já li trinta páginas!”.

O livro começa bem tímido em sua história contando sobre o dia-a-dia de Katniss Everdeen. Logo a trama passa a se desenvolver e conhecemos Gale, um “amigo” dela. Katniss é a filha mais velha e tem que prover alimento em sua casa a cada dia, coisa que não é nada fácil no distrito 12.

Resenha: A Rainha dos Condenados – Anne Rice

/Editora Rocco/Resenhas/

Editora: Rocco
Autor: Anne Rice
ISBN: 8532500315
Edição: 1
Número de páginas: 586
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos
Compre: Amazon

A Rainha dos condenados transporta o leitor para o mundo complexo, erótico, violento e eletrizante dos vampiros. Com incrível habilidade, enorme fluência e conhecimento profundo do tema, Anne Rice nos faz viajar até seis mil anos atrás, quando têm início as histórias da Primeira Geração dos bebedores de sangue e passeia do Egito à América do Sul, do Himalaia à Inglaterra, por onde quer que os vampiros tenham passado deixando suas garras.

Minhas impressões:

Toda a narrativa é feita por outros vampiros, interligando histórias. Colocando pontos em assuntos que ficaram em aberto em livros anteriores. Nesse livro é apresentado uma infinidade de novos vampiros. Vampiros tão antigos quanto a mãe, que trazem histórias do início e remontam toda a história dos vampiros.

Toda a história da Rainha é contada, desde seu casamento com o etéreo Enkil, até a criação do primeiro vampiro. Azim, o deus das montanhas. Khayman o eterno súdito. Sem contar com a linda Pandora, com sua sabedoria e beleza transcendente. Marius, Armand e muitos outros que eu não ousaria revelar.