Resenha: Precisamos falar sobre Kevin – Lionel Shriver

/Editora Intrínseca/Resenhas/

Editora: Intrínseca
Autor: Lionel Shriver
ISBN: 9788580571509
Edição: 1
Número de páginas: 464
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Amazon

Em “Precisamos falar sobre Kevin”, a autora fez um thriller psicanalítico em que a mãe do assassino escreve cartas ao pai ausente. Discute casamento, maternidade e família, enquanto denuncia o que há com sociedades contemporâneas que produzem assassinos mirins em série, ou ‘pitboys’.

Minhas impressões

Já deve fazer uns três anos que li esse livro e que fiz a resenha, mas desde então vinha tentando achar algum psicólogo infantil para conversar sobre o assunto, mas é bem difícil achar alguém assim disponível =/

Fiquei enrolando bastante tempo para ler, pois sabia que além de tomar bastante tempo, ficaria na minha cabeça por muito tempo. Como o livro já é bem conhecido devido o filme, tomei a liberdade de dar alguns spoilers e diversas citações. Se você não quiser spoiler, por favor vá para outra resenha =]

Resenha: Deuses americanos – Neil Gaiman

/Editora Intrínseca/Resenhas/

Editora: Intrínseca
Autor: Neil Gaiman
ISBN: 9788551000724
Edição: 1
Número de páginas: 608
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Amazon

Obra-prima de Neil Gaiman, Deuses americanos é relançado pela Intrínseca com conteúdo extra, em Edição Preferida do Autor. “Deuses americanos” é, acima de tudo, um livro estranho. E foi essa estranheza que tornou o romance de Neil Gaiman, publicado pela primeira vez em 2001, um clássico imediato. Nesta nova edição, preferida do autor, o leitor encontrará capítulos revistos e ampliados, artigos, uma entrevista com Gaiman e um inspirado texto de introdução. A saga de Deuses americanos é contada ao longo da jornada de Shadow Moon, um ex-presidiário de trinta e poucos anos que acabou de ser libertado e cujo único objetivo é voltar para casa e para a esposa, Laura.
O que Gaiman constrói em Deuses americanos é um amálgama de múltiplas referências, uma mistura de road trip, fantasia e mistério — um exemplo máximo da versatilidade e da prosa lúdica e ao mesmo tempo cortante de Neil Gaiman, que, ao falar sobre deuses, fala sobre todos nós. “Deuses americanos” foi adaptado para a TV em série com estreia prevista para 2017, com roteiro do próprio Neil Gaiman e produção de Bryan Fuller (das séries Hannibal e Pushing Daisies e dos filmes da franquia Star Trek). Juntos, os livros de Neil Gaiman lançados pela Intrínseca já venderam mais de 100 mil exemplares. “Original, arrebatador e infinitamente criativo.”

Minhas impressões

Contando essa versão da resenha, eu devo ter tentado escrever sobre esse livro umas treze vezes e ainda assim foi difícil.

Resenha: O Leitor do Trem das 6h27 – Jean-Paul Didierlaurent

/Editora Intrínseca/Resenhas/

Editora: Intrínseca
Autor: Jean-Paul Didierlaurent
ISBN: 9788580577914
Edição: 1
Número de páginas: 176
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Amazon

Operário discreto de uma usina que destrói encalhe de livros, Guylain Vignolles é um solteiro na casa dos trinta anos que leva uma vida monótona e solitária. Todos os dias, esse amante das palavras salva algumas páginas dos dentes de metal da ameaçadora máquina que opera.
A cada trajeto até o trabalho, ele lê no trem das 6h27 os trechos que escaparam do triturador na véspera. Um dia, Guylain encontra textos de um misterioso desconhecido que vão fazê-lo buscar cores diferentes para seu mundo e escrever uma nova história para sua vida.
Com delicadeza e comicidade, Jean-Paul Didierlaurent revela um universo singular, pleno de amor e poesia, em que os personagens mais banais são seres extraordinários e a literatura remedia a monotonia cotidiana.

Minhas impressões

Comecei a ler O Leitor do Trem das 6h27 sem nenhuma referência da obra ou expectativas além da curiosidade pela proposta imagética provocada pelo título e confesso que foi uma surpresa boa! Livro curtinho, de leitura rápida e envolvente.

Somos apresentados a Guylain Vignolles, pessoa comum, introspectiva, vivendo um dia de cada vez, sem grandes expectativas, sonhos ou projetos de futuro. Não parece de todo infeliz, apenas acomodado com a vida medíocre que leva. Os dias se repetem sem grandes novidades, mas é curioso saber que diariamente ele, durante o percurso para o trabalho no trem das 6h27, lê em voz alta trechos aleatórios sob os olhares curiosos e atônitos dos demais passageiros.

Resenha: Como eu era antes de você – Jojo Moyes

/Editora Intrínseca/Resenhas/

Editora: Intrínseca
Autor: Jojo Moyes
ASIN: 9788580573299
Edição: 1
Número de páginas: 320
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos
Compre: Saraiva

Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã e mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.

Minhas impressões

Bom, para falar a verdade dei voltas e voltas o máximo que pude para não terminar de ler esse livro. No começo achei que fosse só mais um romancezinho clichê do momento como tantos que saem por ai, e que não teria aquele “algo mais” que te faz pensar sobre as pessoas que você conhece e que também não teria uma reflexão, algo mais para esse livro te deixar algum tipo de marca sabe… Ainda bem que me enganei.

Como todos sabem ou para quem ainda não sabe a narrativa conta a historia de Will, um jovem de 35 anos bem sucedido que tem sua vida toda transformada após um acidente que o deixou tetraplégico. E Louisa, uma jovem de 26 anos sem ambições na vida e conformada com o sua atual condição profissional, familiar e pessoal que passa a trabalhar como cuidadora de Will.

Resenha: Como o Google funciona – Eric Schmidt & Jonathan Rosenberg

/Editora Intrínseca/Resenhas/

Editora: Intrinseca
Autor: Eric Schmidt & Jonathan Rosenberg
ISBN: 9788580576139
Edição: 1
Número de páginas: 320
Acabamento: Encadernado
Classificação EDS: 100 de 100 pontos

Em Como o Google Funciona, Eric Schmidt e Jonathan Rosenberg reúnem as valiosas lições que fizeram da empresa uma gigante global conhecida pela missão de inovar incessantemente. Eles descrevem como o avanço da tecnologia transferiu o poder das corporações para os consumidores e reforçam que, para sobreviver, é essencial concentrar esforços na qualidade dos produtos e investir em uma nova categoria de profissionais: os criativos inteligentes, que unem conhecimento técnico, tino comercial e uma criatividade sem limites.

Minhas Impressões

Onde trabalho temos um grupo de estudos onde todo mês escolhemos um livro e discutimos sobre o mesmo. A intenção do grupo não é avaliar o livro e aplicar suas ideias imediatamente, e sim analisar o mesmo e comparar com o que já existe na empresa, saber se é possível aplicar isso no nosso dia a dia.

Como disse a intenção do grupo não é agir imediatamente. Hoje, depois de algumas reuniões eu percebo que existe uma mudança mais no modo de agir dos participantes, do que no trabalho em si. Não sei se estou sendo claro o suficiente, mas a mudança que o grupo de estudos tem feito nas pessoas tem sido mais sutil, ao poucos, melhorando a forma de pensar.

Pois bem, falando do livro em si, os autores são geniais. Não somente pela ideia que tiveram ao criar o Google, mas por entenderem tão bem as necessidades do organismo vivo que se tornou a empresa. Existem muitos pontos no livro que merecem atenção. Pra ter ideia eu usei mais de 120 post-its para marcar os trechos importantes. Vou citar alguns aqui, os quais acho essenciais em qualquer empresa.

Sei que sou novo e não tenho tanta experiência em gestão assim, porém o tempo que trabalhei como coordenador, e também o fato de considerar a capacidade de liderança algo nato, aprendi algumas coisas (ser chefe é fácil, liderar não).

Primeira coisa, a estrutura de uma empresa deve incentivar o livre discurso, ou seja, o funcionário deve ter o direito de opinar (claro que estou falando de opiniões que não infrinjam o “moral”). Deve-se tomar cuidado principalmente com aqueles que fingem aceitar a opinião, mas pelas costas tá acabando com o funcionário. O direito de opinar e de falar abertamente incentiva a criatividade.

Segundo, os valores da empresa devem refletir os valores de seus funcionários. Não se trata só de reunir os diretores da empresa e criar uma frase “bonitinha” que deixe os clientes, os acionistas e os funcionários felizes. Um dos valores do Google é “não seja mau”. Há um significado gigantesco nesse simples valor que é difícil descrever.

Terceiro, a liderança da empresa deve criar novos líderes. Em um certo momento no Google, os fundadores perceberam que deveriam se afastar, pois suas ideias, por mais inovadoras que fossem, podem não acompanhar a velocidade necessária, basta olhar para um filho ou sobrinho pra vê-lo como dois anos mexendo num celular, enquanto você com essa mesma ideia mal andava. O exemplo é simples eu sei, mas ilustra o que quero dizer. Não adianta ficar com uma estátua de mármore na cadeira do diretor, só porque ele está desde a fundação ou porque ele tem mais experiência. Obviamente não estou falando pra todos os diretores se levantarem, darem as mãos e irem embora. Não adianta um diretor que só faz volume em reunião.

Quarto, a contratação e valorização do funcionário deve ser uma das coisas mais importantes da empresa. É necessário que seja um processo que garanta um funcionário alinhado com os valores e metas da empresa, um funcionário que “encaixe” perfeitamente. Perceba que o processo não deve ser moroso e sim assertivo. Não basta só um dinâmica, como a do balão por exemplo, para identificar se um candidato é bom ou não.
Sobre valorização é simples. Um funcionário que se sente bem na empresa, vai ser muito mais produtivo e criativo, agilizando as soluções.

Quinto e mais importante de todos. Seus produtos, serviços, enfim, devem ser excelentes para o cliente/usuário. A receita também é simples, se o produto é excelente, ele trará lucro. Você pode não ganhar muito com ele, mas se o produto se destaca e entrega mais do que o usuário pode esperar, ele trará lucro. Hoje é o usuário que escolhe o que quer usar não você.

Ainda existem empresários, chefes na verdade, que acham que nada dessas “frescuras” são verdades, que o empregado deve só sentar lá na mesa dele e produzir. Até pode dar certo por um tempo, mas esse mesmo empresário está fadado ao fracasso, sem contar a porcentagem alta de turn over.

Os autores não recomendam uma revolução na empresa. Não dizem para parar a produção e começar tudo do zero. São passos simples, que se mudados gradativamente vão tornar sua empresa um lugar desejável para funcionários, bem quisto por clientes e lucrativo para os acionistas. Isso não é algo exclusivo só do Google.

Como disse o livro é excelente. É um daqueles que deveriam constar nos livros obrigatórios para concurso ou conclusão de curso de qualquer área ligada à gestão. Recomendo imensamente pra quem está precisando dar um up na organização da empresa.

Até a próxima e por favor, deixem suas opiniões.

Resenha: Antes que eu vá – Lauren Oliver

/Editora Intrínseca/Resenhas/

antes-que-eu-vá-estante-dos-sonhosEditora: Intrínseca
Autor: Lauren Oliver
ISBN: 9788580570595
Edição: 1
Número de páginas: 368
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Samantha Kingston tem tudo: o namorado mais cobiçado do universo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no Thomas Jefferson, o colégio que frequenta — da melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento.
Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, deveria ser apenas mais um dia de sua vida mágica e perfeita. Em vez disso, acaba sendo o último. Mas ela ganha uma segunda chance. Sete “segundas chances”, na verdade. E, ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha desvenda o mistério que envolve sua morte — descobrindo, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder.

Minhas impressões

O livro por inteiro foi uma grande surpresa. Relutei para ler, mas quando comecei não parei mais. O que mais me chamou a atenção foi à magnífica capa e não a sinopse em si. Terminei de ler em menos de uma semana e já reli duas vezes.

A principio somos apresentados à vida de Sam e suas amigas. Um grupo de garotas totalmente fúteis, superficiais e que vivem para atormentar os que não são como elas.

O começo do livro pode te dar uma desanimada, pois o enfoque inicial é a vida dessas garotas, como elas se comportam e o que elas usam, porém tudo muda quando Sam e suas amigas vão a uma festa que vai mudar a vida de uma delas para sempre. Ou melhor, vai acabar com a vida de uma delas. Totalmente.

E a “escolhida” é Samantha. Sam morre em um acidente de carro. Não, não é spoiler! É só o inicio dessa magnífica história.

No que seria o dia seguinte, o despertador toca e Sam acorda. Terá sido um sonho? Não, ela não está no dia seguinte. Ela está revivendo o dia de sua morte.

Lauren conseguiu com maestria mostrar esse mundo adolescente, cheio de problemas, com muitos sonhos e uma gama imensa de superficialidade. Ela realmente nos mostra o poder do ser e do ter e o quão importante são as nossas escolhas.

O livro carrega uma carga dramática imensa, onde problemas familiares e bullying estão presentes. O bullying por sua vez, é tratado de uma maneira totalmente contraria do que vemos com frequência em outros livros. Aqui somos apresentados a personagens que praticam o preconceito e não há personagens que sofrem deste mal.

Em cada um dos sete capítulos, acompanhamos Sam revivendo aquele mesmo dia. Se no início ela acha que tudo não passa de um pesadelo, ao longo dos dias vai percebendo que, de fato, está morta… Mas que isso não necessariamente é o fim.

A autora consegue fazer o leitor parar e refletir: Opa, será que estou agindo corretamente? Sim, é assim que Lauren nos faz sentir. No meio dos acontecimentos, há umas pausas na narrativa, diagramadas em itálico, onde Samantha conversa com o leitor. Esses trechos são os mais intrigantes, quando ela convida você para se por no lugar dela.

Lauren está de parabéns pela narrativa leve e fácil de ser entendida. O que me resta a dizer é que, leiam este livro e se emocionem com a história de Samantha.

Compartilhe este link para ganhar pontos

Resenha: O Circo da Noite – Erin Morgenstern

/Editora Intrínseca/Resenhas/

circo-da-noite-estante-dos-sonhosEditora: Intrínseca
Autor: Erin Morgenstern
ISBN: 9788580571608
Edição: 1
Número de páginas: 368
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Sob suas tendas listradas de preto e branco uma experiência única está prestes a ser revelada: um banquete para os sentidos, um lugar no qual é possível se perder em um Labirinto de Nuvens, vagar por um exuberante Jardim de Gelo, assistir maravilhado a uma contorcionista tatuada se dobrar até caber em uma pequena caixa de vidro ou deixar-se envolver pelos deliciosos aromas de caramelo e canela que pairam no ar. Por trás de todos os truques e encantos, porém, uma feroz competição está em andamento: um duelo entre dois jovens mágicos, Celia e Marco, treinados desde a infância para participar de um duelo ao qual apenas um deles sobreviverá. À medida que o circo viaja pelo mundo, as façanhas de magia ganham novos e fantásticos contornos. Celia e Marco, porém, encaram tudo como uma maravilhosa parceria. Inocentes, mergulham de cabeça num amor profundo, mágico e apaixonado, que faz as luzes cintilarem e o ambiente esquentar cada vez que suas mãos se tocam. Mas o jogo tem que continuar, e o destino de todos os envolvidos, do extraordinário elenco circense à plateia, está, assim como os acrobatas acima deles, na corda bamba.

Minhas Impressões

“O circo chega sem avisar” é assim que começa esse livro, que é contado com riquíssimos detalhes, desde a primeira até a última página. Conta a história de um circo que somente funciona a noite, do qual tem como símbolos as cores preta, branca e cinza, todas as tendas, placas, bilhetes e vestimentas tem essas três cores.

Abre ao cair da noite, fechar ao amanhecer

Antes de sua idealização esse circo foi criado em reuniões que somente eram realizadas após a meia-noite e após jantares muito bem elaborados com música e as comidas mais diversificadas e maravilhosas que qualquer pessoa pode imaginar.

Entre seus idealizadores encontramos um empreendedor, uma estilista, duas consultoras de negócios, um mágico ilusionista e um arquiteto, durante anos houve os preparativos dentre eles um relógio totalmente incomum onde suas horas e ponteiros foram inspirados nos temas circenses.

Entre toda essa preparação para “Le Cirque des Rêves”, somos envolvidos em histórias paralelas, entre uma delas um desafio de vida e morte que no começo acreditamos fielmente ser de habilidades entre dois mágicos ilusionistas que tem aptidões e métodos diferentes para sua realização, e por obra desse desafio utilizam o circo de forma indireta para essa competição, que no final da competição praticamente determinará o futuro do circo e de seus artistas.

O circo é maravilhoso, cada tenda é muito bem elaborada, de forma que os visitantes possam até se perder entre elas, há uma tenda de labirintos totalmente diferentes do qual usa como o tema nuvens, postas em camadas que formam na verdade um labirinto.

Há um jardim de gelo onde todas as plantas são de gelo e no momento em que uma planta se quebra automaticamente uma nova nasce em seu lugar, há uma tenda das arvores dos desejos, um carrossel encantado onde os animais tem praticamente vida, a tenda da vidência onde a cartomante lê de verdade as cartas e as mesmas lhe diz o que tem a dizer, não podemos esquecer dos equilibristas, da tenda com animais e claro a tenda da ilusionista que na verdade é uma das competidoras, são tantas tendas que em uma noite é impossível visitar todas. Sem dúvida a tenda mais intrigante é a da ilusionista, pois ela consegue passar a maior emoção de realidade tentando parecer truques que envolve aves e a própria moça, Célia.

No meio do pátio no centro de todo o circo e tendas há um caldeirão onde as chamas não são vermelhas e nem de fundos alaranjados azuis, mas com chamas brancas o que faz com que todos quando a olhem faça pensar que não são chamas de verdade, foi feito e é controlado por um rapaz, Marco, que é o adversário da ilusionista Célia.

Quando ouvimos alguém falar que um circo é mágico não acreditamos tão fielmente, apesar de seus lindos espetáculos, mas “Le Cirque des Rêves” de fato é mágico, todo em sua essência e materialização é mágica, assim como seus artistas, na verdade esse circo em especial é um tabuleiro onde esses dois jovens estão testando suas aptidões, porém não de forma competitiva, mas sim de uma forma que a cada tenda nova eles tentam fazer o melhor de si sempre pensando no adversário, não como um adversário, mas sim como uma forma de agradecimento e presente para expor o quanto sente um pelo outro, durante anos esse jogo se formou assim até o momento em que esses jovens já estão cansados de terem que sempre presentear com novas habilidades, sendo que na verdade o que eles querem é viver juntos e felizes. Mas como estão um jogo que lhes foi imposto por seus pais, eles são obrigados a ter que achar uma solução para que o circo e os demais artistas continuem vivos e o casal possa viver esse amor.

É um livro muito encantador, que nos faz de verdade viajar, e imaginar como seriam seus personagens, o circo, seus detalhes, eu me envolvi tanto nele que teve um momento que parecia que eu não estava mais lendo e sim assistindo e até imaginava como era a voz de cada personagem.

Mas tenho que ressaltar que para ler o livro deve haver muita atenção e sem distração, pois a cada capitulo temos a continuação de uma história que começou em uns três capítulos antes e o período cronológico é essencial para que possa continuar a aprecia-lo, pois como falei de início é uma história, um legado que está sendo relatado, que somente no final do livro se faz entender.

… com tanta rapidez que parece nem se mover, ela pega a jaqueta no palco e a atira sobrea a cadeira, na qual, em vez de cair, gira, dobrando-se sobre si mesma. Num pisca de olhos, as dobras de seda viram penas negras e brilhantes, grandes asas batendo, e é impossível situar o momento em que se transforma em corvo e deixam de ser um tecido. O corvo sobrevoa as cadeiras de veludo vermelho em direção ao balcão do teatro, onde voa em círculos curiosos…

Uma história maravilhosa que deixa qualquer um deslumbrado, recomendadíssimo 😉

Resenha: A Garota que eu quero – Markus Zusak

/Editora Intrínseca/Resenhas/

Editora: Intrínseca
Autor: Markus Zusak
ISBN: 9788580573732
Edição: 1
Número de páginas: 176
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  70 de 100 pontos
Compre: Amazon

Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele? Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo; as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo.

Minhas Impressões

Um livro curto e totalmente escrito em primeira pessoa, a cada capítulo temos um pouco dos pensamentos de Cameron, o personagem principal da história que deve ter em torno de 17 anos de idade, mora com seus pais, uma irmã e o irmão Rube, uma família normal, de classe baixa onde os pais trabalham muito para manter as contas da casa e os filhos. A história é contada na época atual (assim presumo).

Cameron é um rapaz solitário, que tem como amigo o irmão Rube e mais ninguém, ele sempre se espelha em Rube, como exemplos do que é certo e do que é errado, e isso é o que faz esse garoto amadurecer, pois de acordo com os exemplos de seus irmãos ele criou sua própria personalidade, porém tem problemas em fazer e manter amizades e ainda sofre com problemas de inferioridade, ele se sente uma pessoa derrotada, um inútil, tanto que essa auto afirmação de ser derrotado é confirmada quase no final do livro onde o seu irmão mais velho, Steve, lhe fala sem rodeios o que achava dele, e Cameron entende que ele foi mesmo um dia, mas que isso no momento da revelação não teria mais relevância, dessa forma não traria constrangimentos dentro do laço de irmãos.

Ao contrário de seu irmão Rube, que a cada semana tem namorada nova, Cameron não! Ele acredita de verdade que esse é um dos exemplos do seu irmão que não quer para si, mas um dia em que ele estava andando sem rumo com seu irmão Rube ele se apaixona por uma garota e a partir desse dia (quase todos os dias) ele vai à frente da casa dessa menina e torce e espera que a garota um dia venha a sair da casa e falar algo com ele, mas isso nunca acontece, então ele acaba tendo mais certeza a cada dia que ele de fato é um derrotado. Mas um belo dia a ex-namorada de seu melhor amigo/irmão Rube o surpreende, com uma visita inesperada e confessa a que adoraria que ele sempre ficasse na frente de sua casa, pois ela daria mais valor do que essa menina que nunca vai ao seu encontro.

E a partir desse dia, tudo muda na vida de Cameron, muda a forma com que ele se relaciona com seus irmãos, com as demais pessoas próximas aos seus parentes, suas responsabilidades e seus pensamentos. Ele descobre que a vida é mais do que se preocupar com o que os outros iram pensar dele, ou de como ele se veste, ou de como seu cabelo está mal arrumado, pois nada disso mais importa, o que importa para ele é a vida com a família e sua namorada Octavia, que o completa e monstra que de fato ele é mais do que muita gente esperava.

Ah! Não podemos esquecer de falar de Miffy, um lulu-da-pomerânia, um cachorro de personalidade forte, porém muito apegado ao Cameron e ao Rube, os rapazes tem um acordo com os donos de Miffy do qual os garotos tem que levar o pobre cachorro para passear alguns dias da semana, e nisso começa a nascer um amor pelo cão. Eles se preocupam com a saúde e o bem estar do bichinho, mas no final do livro o Miffy infelizmente morre…

Um livro que não tive um apego sentimental, se está à procura de emoções fortes, então esqueça, pois esse livro não tem esse apelo, mas o livro ressalto alguns pontos interessantes como o complexo de inferioridade com as demais pessoas da escola, o problema de ser o casula, o envolvimento dele com a família, que ao que me pareceu não eram muito próximos, exceto com Rube, o primeiro amor de um garoto e toda sua insegurança de como agir e as mudanças na vida da fase adolescente para adulto.

Outro ponto interessante no livro é como ele é contado, é como se o autor estivesse contando uma história que aconteceu lá no passado, e ele viu nisso uma ótima oportunidade de passar isso para as demais pessoas.

Enfim, quem tem interesse em leitura por prazer e gosta de histórias sem muita emoção, é um prato cheio, mas para o meu paladar faltou um pouquinho de tempero.

Até a próxima 😉

Resenha: A culpa é das estrelas – John Green

/Editora Intrínseca/Resenhas/

a-culpa-e-das-estrelas-john-green-estante-dos-sonhosEditora: Intrínseca
Autor: John Green
ISBN: 9788580572261
Edição: 1
Número de páginas: 288
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

Minhas impressões

Comecei a ler A culpa é das estrelas em um domingo à tarde, porém no sábado da noite anterior estava assistindo um filme que falava do sofrimento de uma família do qual a filha sofria com um câncer.

E esse é um livro que já estava interessada em lê (bem antes do filme), então desde o filme já estava em uma pegada um pouco tensa e chorosa, principalmente porque a sete meses um parente muito próximo lutou nessa guerra contra o próprio corpo.

O livro é extraordinário, é engraçado, é sério e acima de tudo é inteligente. A todo momento me colocava em conflitos de pensamentos, muitos questionamentos dos personagens são os mesmos que temos em várias situações (se nunca teve, pode ter certeza que uma hora terá!), não só no momento em que estamos com um câncer.

Como os nossos familiares se sentem? O que eles pensam? Como será a vida dos nossos pais? Ou dos nossos filhos?
Eu devo deixar essa pessoa maravilhosa se apaixonar por alguém que está condenado? Devo afasta-lo de mim, para que ele não sofra eternamente com a minha perda para a morte? Será que está certo seguir esse relacionamento? Sinto que vou me machucar!

Qual é o tamanho da dor emocional, psicológica e física?

Bem… são muitos questionamentos no fim desse livro, questionamentos que nos fazem ver que de fato cada minuto é mais que precioso, e que de fato não temos um futuro, mas sim planos para o futuro e nada mais do que isso.

Apesar de tudo, após sua leitura, vejo que não é uma história que te deixe para baixo, muito pelo contrário, as piadas de Augustus e Isaac são perfeitas, mostra que o bom humor, as amizades e o amor ultrapassa qualquer um dos questionamentos citados acima, que o amor é eterno e rompe qualquer barreira entre o hoje e o amanhã, entre o céu e a terra, ou entre a vida e a morte. Nos mostra que tudo que parece ruim tem seu lado bom, tem sua piada, tem sua experiência e o melhor, tem o amor.

Se pudesse descrever o livro eu diria “Uau!”.

Daqui a um ano quero ler de novo e ver quais serão minhas impressões.
Até o próximo =)

Resenha: Lua Azul – Alyson Noel

/Editora Intrínseca/Resenhas/

lua-azul-alyson-noel-estante-dos-sonhosEditora: Intrínseca
Autor: Alyson Noel
ISBN: 9788598078823
Edição: 1
Número de páginas: 256
Acabamento: Brochura
Classificação EDS:  85 de 100 pontos

Ever é agora uma imortal. Iniciada nesse mundo desconhecido e sedutor por seu eterno amado, Damen, ela está empenhada em conhecer e dominar suas novas habilidades, mas algo terrível começa a acontecer. Acometido por uma doença misteriosa que ameaça, inclusive, sua memória, Damen não percebe que seus poderes se estão esvaindo – enquanto Ever se sente cada vez mais forte. Desesperada para salvá-lo, ela viaja até a dimensão mística de Summerland, onde não apenas toma conhecimento da misteriosa história de Damen, brutal e torturante, mas também tem acesso aos segredos que regem o Tempo. Com a lua azul que se aproxima, anunciando uma oportunidade única de se projetar para o passado ou para o futuro, Ever é forçada a decidir entre voltar no tempo e impedir o acidente que tirou a vida de toda a sua família ou ficar no presente e salvar Damen, que parece definhar a cada dia.

Minhas impressões

Lua Azul é um livro legal com seus prós e contras, no qual Damen e Ever estão no auge do amor que os cercam e da eternidade que passaram juntos, Ever, então, decide dar o “grande” passo de consumar o amor deles, no qual Damen esperou quatrocentos anos.

Um novo garoto sinistro chega na escola de Ever. Seu nome? Roman. Esse garoto logo conquista a escola com sua popularidade, porém Ever percebe algo estranho nesse garoto e por incrível que pareça ela está certa dessa vez. Toda vez que Roman chega perto de Damen ele começa a passar mal e a agir de forma estranha, como se não precisasse de Ever, como se ela fosse um estorvo. Como Damen não percebe nada disso, Ever acaba achando que é algo de sua cabeça, porém quando os dois resolvem consumar o ato de sua relação, algo acontece e Damen some!

Quando Damen reaparece Ever leva um susto. Damen voltou com um ar totalmente diferente, com áurea e pensamentos ilegíveis à paranormalidade de Ever, e o pior de tudo, não aguenta Ever ao seu lado.

Ever não acreditou no que estava acontecendo, os pensamentos de Damen são superficiais, mesquinhos, interesseiros e o pior de tudo ele ridiculariza Ever voltando a seduzir Stacie, a menina mais insuportável da escola.

Desolada e sem ninguém para ajudar, Ever vai atrás da médium Ava e juntas conseguem abrir o portal para Summerland em busca de descobrir como reverter tudo que está acontecendo. Ever descobre que pode voltar no tempo e tem que decidir entre Damen, ou voltar dias antes do acidente e ter sua família de volta.

Enfim o livro é maravilho Ever descreve muitos detalhes quando está em Summerland só que ele faz lembrar o livro Lua nova. Ever parece a Bella em seu momento mais “depre”! Mas fora isso o livro é super recomendado!