Resenha: Minha parte silenciosa – Andrew Smith

/Editora Gutenberg/Resenhas/

Editora: Gutenberg
Autor: Andrew Smith
ISBN: 9788582351246
Edição: 1
Número de páginas: 304
Acabamento: Brochura
Classificação EDS: 100 de 100 pontos

Stark McClellan tem 14 anos. Muito alto e magro, tem o apelido de Palito, mas sofre bullying porque é ‘deformado’, já que nasceu apenas com uma orelha. Seu irmão Bosten, o defende em qualquer situação, porém ambos não conseguem se proteger de seus pais abusivos, que os castigam quase todos os dias. Ao enfrentar as dificuldades da adolescência, é a amizade e o apoio do irmão sua referência de amor. Um dia, porém, o pai descobre um segredo de Bosten, que foge de casa. E Palito, em uma jornada de amadurecimento, o buscará para ajudá-lo.

Minhas Impressões

Esse livro foi mais um dos poucos escolhidos na Bienal já que eu estava com pouquíssimo dinheiro. Depois de ver a capa e o título ter me chamado a atenção, li a contracapa e gostei.

O que vou comentar agora vai parecer um pouco insensível, mas não é. Logo que se inicia o livro, Stark mostra que ele tem uma deficiência. Ele não tem uma das orelhas, somente o canal auditivo. Por um bom tempo no começo do livro ele fala como se sente feio, oprimido e blá blá blá. Quase desisti do livro nessa parte. Como falei soa um pouco insensível, mas não gosto de quem fica se lamentando, independente do problema que tenha. Conheço pessoas com deficiências graves que fazem mais e vivem mais intensamente do que eu, mas enfim, resolvi dar uma chance ao livro e não me arrependi =]

Stark é um menino magrelo e extremamente alto pra sua idade, por isso seu apelido era palito. Pelo fato de ter nascido com anotia (não ter uma das orelhas) ele era bastante complexado com sua aparência, sempre usando um gorro pra esconder essa parte. Clichê de escolas americanas, ele era perseguido pelos outros garotos da escola. Stark tem aquele tipo de inocência genuína não por ser novo, mas mais pro tipo de pessoa ingênua. Mesmo sofrendo na escola ele não conseguia pensar em revidar.

Bosten, seu irmão é o oposto. É bonito e “normal”. Não era popular na escola, mas tinha seu grupo e sempre defendia o irmão. Os dois tinham uma cumplicidade que só irmãos próximos (e que sofrem juntos) tem. Bosten sempre procurou levar o irmão onde fosse, não por dó, mas por amar mesmo. Só os dois sabiam o que era ser eles e vocês terão uma ideia do motivo.

Se me lembro bem o livro se passa na década de 60 e Stark mora com sua família em uma cidade no interior de Washington. Uma cidade afastada da “cidade grande”e totalmente tradicional. Daquelas que todo mundo deveria ir para a igreja no domingo, senão seria considerado um herege. Na casa do Stark e Bosten a situação era pior. O pai deles era do tipo controlador e possessivo; a mãe do tipo omissa. Stark era praticamente invisível na casa. Ele sempre achou que, para os pais ele foi um erro que acabou nascendo. Conforme as folhas e capítulos vão passando, vocês vão vendo as barbaridades que acontecem. Uma delas que posso contar sem dar spoiler é o quartinho dos fundos onde eles ficavam presos como forma de castigo. Um lugar com um balde como banheiro.

Stark tinha uma única amiga além de seu irmão, A Emily, com quem ele costumava passar as tardes. Seu irmão tinha o Paul.

Tudo começa a degringolar em uma sucessão de problemas. Primeiro Bosten acaba levando um castigo pesadíssimo por ter ajudado seu irmão. Segundo, quando Stark acaba pegando seu irmão no flagra e terceiro quando o que Stark flagrou, acaba sendo revelado para todos na cidade. Sim eu sei que fui vago, mas é proposital 😉

Bosten não consegue aguentar e acaba fugindo de casa. Com isto Stark fica sozinho com seu pai…

Como falei, Stark tem essa certa inocência e o amor que ele tem pelo irmão é tão genuíno que não suporta a ideia de deixar seu irmão sozinho. Mesmo não tendo idade para dirigir ele pega o carro do pai e parte em busca do irmão que está passando por uma péssima fase.

Evitando contar boa parte, a sequência dos eventos são comoventes. Creio que a inocência do Stark dá esse toque no livro e vai fazendo o leitor querer descobrir logo o que vai acontecer. Você vai passar alguns momentos de raiva, principalmente com a mãe omissa deles. E vai se deliciar com pequenas vitórias que eles tem. Recomendo o livro com certeza. É uma leitura incomum e isso a torna interessante.

Até a próxima e pls deixe um comentário =)

Resenha: Exorcismos, amores e uma dose de blues – Eric Novello

/Editora Gutenberg/Resenhas/

Editora: Gutenberg
Autor: Eric Novello
ISBN: 9788582351758
Edição: 1
Número de páginas: 336
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Tiago Boanerges é um mago nada convencional. Responsável por exorcizar oníricos fugitivos do mundo dos sonhos, viu o sucesso escorrer pelos dedos ao cometer um erro em uma missão. Demitido, sem amigos e com uma doença misteriosa, descobriu que a sorte é uma amiga traiçoeira e fugaz. Agora, anos depois de recuperar a saúde e transformar a má fama em uma profissão lucrativa, a sorte parece ter se lembrado dele mais uma vez. Uma proposta de seu antigo chefe pode ser a chance que esperava para dar a volta por cima e colocar a vida nos eixos – mas também mergulhar novamente nas armadilhas de um amor que pode lhe custar a vida. Neste Exorcismos, amores e uma dose de blues, Eric Novello nos proporciona diálogos diretos e sarcásticos, num cenário fantástico que tem muitos ecos de realidade.

Minhas impressões

Estava na Bienal de livros desse ano, triste e sem vontade de cantar uma bela canção, pois a grana estava curta, logo tive que escolher muito bem os livros que eu levaria.

Andando com duas amigas minhas, uma capa me chamou atenção. Tanto que fui pro stand pra saber do que se tratava o livro. Pra minha sorte, o autor estava no stand! Quem melhor do que o autor pra explicar sobre o livro? Mesmo ele dando alguns spoilers gostei do livro e comprei.

Resenha: A Lista Negra – Jennifer Brown

/Editora Gutenberg/Resenhas/

A-Lista-Negra-Jennifer-Brown-estante-dos-sonhosEditora: Gutenberg
Autor: Jennifer Brown
ISBN: 9788565383110
Edição: 1
Número de páginas: 256
Acabamento: Brochura
Compre: Amazon
Classificação EDS:  100 de 100 pontos

Abril. Um mês que, inevitavelmente, será sempre lembrado pelo horror de massacres ocorridos em escolas por jovens: 20 de abril de 1999, Columbine, Estados Unidos; 26 de abril de 2002 , Erfurt, Alemanha; 16 de abril de 2007, Virginia Tech, também nos EUA; e 7 de abril de 2011, Realengo, Brasil. Além desses, muitos outros já ocuparam os noticiários do mundo inteiro, chocando pela violência com que jovens assassinam seus próprios colegas. É com um noticiário como esse que o romance A lista negra abre suas páginas. Lançado agora no Brasil pela Editora Gutenberg, a obra Jennifer Brown é uma ficção que mergulha no mundo juvenil repleto por situações marcadas pelo bullying, preconceito e rejeição.
Essa é a história de Val e Nick. Eles são dois adolescentes que se conhecem no primeiro ano do ensino médio e se identificam de imediato. Val convive com pais ausentes, que brigam o tempo todo e só criticam suas roupas e atitudes. Nick tem uma mãe divorciada que vive em bares atrás de novos namorados. Os dois são alvo de bullying por parte de seus colegas do Colégio Garvin. Nick apanha dos atletas e Val sofre com os apelidos dados pelas meninas bonitas e populares. Ambos compartilham suas angústias num caderno com o nome de todos e tudo que odeiam, criando um oásis, um local de fuga, um momento de desabafo, pelo menos para Val. Já Nick não encara a lista e os comentários como uma simples piada…

Minhas impressões

O que esperar de um livro infanto-juvenil? Eu particularmente sempre espero a mesma coisa: adolescentes que enfrentam problemas de relacionamento com amigos e familiares, o clichê amor adolescentes que sempre termina em beijos intensos e um bom final feliz. Porém, A Lista Negra me mostrou outra vertente do gênero infanto-juvenil, uma vertente mais dramática, onde nem tudo termina em um simples final feliz.

Em A Lista Negra, Jennifer Brown conta a história de Valerie, uma menina que por sofrer algumas provocações na escola criou uma lista com o nome das pessoas e coisas que ela queria que não existissem mais. O que Valerie não esperava, era que seu namorado Nick levasse a lista tão a sério e que as reações dessa ação tomada por Nick acabassem prejudicando tanto a sua vida.

Namorar Nick era como uma válvula de escape para Valerie. Por sofrerem as mesmas provocações na escola Val e Nick se aproximam ainda mais e é completamente confortável para ambos namorar alguém que passe pelos mesmos problemas. Porém, quando estamos envolvidos vemos o que queremos e é exatamente o que acontece com Val em relação a Nick, pois ela o enxerga como a melhor pessoa do mundo, o que talvez ele não seja.

Durante toda leitura a autora constrói e desconstrói a imagem de Nick. Enquanto esta com Valerie, ele é aquele garoto gentil, educado e que adora Shakespeare, quando não está com Valerie ele torna-se um garoto completamente amargurado, sem amor no coração, uma pessoa completamente fria.

Valerie é uma personagem encantadora, e ler a história sob o seu ponto de vista é ainda mais interessante, porque somente ela sabia o que era ser considerada estranha, quando o que mais queria era ser uma garota normal.

Além de tratar sobre o bullying, a autora também nos enche de problemas familiares enfrentados tanto por Valerie quanto por Nick. Nesse ponto do livro pensei: puts,vai cair na mesmice…, porém fui completamente surpreendido por uma densidade de sentimentos que nunca senti na vida.

O livro por inteiro me deixou impressionado. A história, os personagem, o trecho dos jornais que iniciam todos os capítulos, tudo, praticamente tudo. Jennifer desenvolveu muito bem o livro. Desde o inicio me deu vontade de ler mais e mais. A lista negra é sensacional e é claro que é recomendável para todas as pessoas.

Compartilhe este link para ganhar pontos